Organizador da Parada Gay de Alagoas é assassinado

José Ednaldo Amâncio Salustiano, dirigente do movimento de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros (GLBT) de São Luiz do Quitunde (Alagoas), foi assassinado na madrugada do dia 20 de julho, com 16 facadas. O caráter claramente homofóbico do crime é evidente: Ednaldo foi morto com requintes de crueldade, na porta de sua casa, no mesmo dia em que foi realizado um debate – exatamente para denunciar a violência homofóbica – que marcou o início das atividades do Orgulho GLBT na cidade (onde a Parada está marcada para 13 de agosto).

O assassinato de Ednaldo foi o 16º praticado contra homossexuais da região neste ano, somando-se a 17 outras mortes realizadas em todo o ano de 2005.

A trágica morte de Ednaldo é, lamentavelmente, mais uma demonstração do completo descaso dos governantes brasileiros em relação à violência praticada contra a comunidade GLBT. A começar pela irresponsabilidade criminosa do governo Lula que, com sua já conhecida hipocrisia, lançou, com enorme estardalhaço, há mais de um ano, o projeto Brasil Sem Homofobia, sem destinar sequer um centavo para o projeto.

Diante de mais este crime bárbaro, o PSTU e sua Secretaria GLBT querem expressar sua solidariedade aos familiares e companheiros de luta de Ednaldo, bem como exigir a imediata investigação e punição dos assassinato, reafirmando que o único caminho para pormos um ponto final nesta história é a luta sem tréguas contra a homofobia e seus cúmplices.