Operários da Ford protestam contra fechamento da fábrica no ABC

Trabalhadores estão em greve desde o dia 20 de fevereiro contra o anúncio do fechamento da planta em São Bernardo

Sob uma forte chuva, no último dia 26, os metalúrgicos da Ford realizaram assembléia no pátio da empresa no bairro Taboão, em São Bernardo do Campo (SP). Na assembleia estiveram presentes várias entidades que vieram prestar solidariedade com os trabalhadores da Ford, como a CSP-Conlutas, a Força Sindical, a CUT, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Apeoesp, entre outras entidades.

Era possível ver também muitos familiares de metalúrgicos. Ao final da assembleia, o sindicato propôs fazer uma campanha pedindo para que ninguém compre carro da marca Ford até não se resolver o fechamento da planta no ABC.

Os trabalhadores deram uma verdadeira demonstração de que estão com disposição de luta ao saírem em passeata até o Paço Municipal e percorrendo um percurso de quase 10 quilômetros. Ao chegarem no paço, já sob o sol forte, o sindicato realizou o encerramento da atividade fazendo um comunicado de que na quinta-feira uma comissão de três representantes do sindicato embarcará para os EUA para fazer reunião com a direção da Ford. Na quarta-feira seria realizada uma reunião com o prefeito e, no mesmo horário, os trabalhadores fariam uma reunião dentro da fábrica.

Ficou evidente uma grande tensão entre os trabalhadores e os seus familiares, que não sabem o que fazer caso se concretize o fechamento da planta. Luiz Carlos Prates, o Mancha, do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e da CSP-Conlutas, ao discursar disse que a sede por lucros dos acionistas tem levado a que diversas montadores no mundo fechem fábricas como está acontecendo na GM, não adianta fazer concessões pois não garantiram os empregos.

PSTU-ABC