Nota de repúdio à truculenta ação da PM na Rua Victor Meirelles – Florianópolis/SC

Durante o bloco de carnaval de rua nesta quinta-feira (28/02) em Florianópolis, no começo da madrugada, vimos uma cena lamentável e covarde da Polícia Militar. Apesar de os bares localizados na rua possuirem alvará de funcionamento até às 02h da manhã, a PM chegou com o batalhão de choque sem aviso prévio, pelos cantos, escondendo-se como se estivessem indo para um confronto com pessoas que poderiam colocar em risco a vida de alguém, o que não era o caso. Jogaram bombas de gás de lacrimogênio, gás de pimenta em toda rua e usaram balas de borracha. Os trabalhadores dos bares relatam que tiveram que fechar as portas rapidamente, alguns clientes conseguiram se proteger dentro desses bares, porém o gás era tão forte que estava sufocando as pessoas lá dentro.

Uma funcionária de um dos bares relatou que, passado um tempo, teve que sair para fechar o bar, assustada e com uma certa rapidez, pois o medo era grande de ser atingida por uma bala de borracha. Enquanto atravessava a rua, um dos PMs que atirava nas pessoas veio em direção ao grupo que estava com a funcionária e atirou para cima. Logo em seguida conseguiram entrar no bar, sem serem atingidos. São muitos os relatos de indignação dos trabalhadores que estavam no seu local de trabalho. Alguns soldados chegaram a declarar que ‘‘de agora em diante vai ser sempre assim”.

A Policia Militar de Santa Catarina, dirigida pelo Comandante Araújo Gomes e o Governador Carlos Moises, precisam explicar o porquê de tanta brutalidade com as pessoas que frequentam os bares do centro histórico de Florianópolis, em especial na Rua Victor Meirelles, que a meses vem sofrendo com investidas constantes por parte dessa polícia que é o braço direito do governo que tem tirado a liberdade das pessoas de viverem a cidade.

Florianópolis sempre teve carnaval. Com o crescimento da cidade, a elite racista e moralista tenta higienizar a cidade, expulsando os trabalhadores dos lugares que ocupam como lazer.

A luta pelo direito à cidade sempre foi uma luta necessária da classe trabalhadora que sofre com o transporte público caro e ruim, com a falta de banheiros públicos nas regiões de grande circulação da cidade e com a falta de espaços de lazer.

A gestão do Governador Carlos Moisés é marcada pelo caráter privatista da cidade. Suas ações são voltadas para o esvaziamento dos poucos espaços de lazer, para maior elitização das regiões centrais da cidade e ao fomento de atividades de lazer que geram lucros para seus amigos empresários ao mesmo tempo em que cerceia a classe trabalhadora do acesso ao lazer e à cultura.

O Carnaval 2019 será de muita luta e ela começa agora!
Cobramos um posicionamento do Governador Carlos Moises assim como do prefeito Gean Loureiro. Que ordem é essa de atacar a vida das pessoas pelas ruas de Florianópolis?

Ressaltamos que esse tipo de atitude do governo é machista, racista e homofóbica pois é de conhecimento da PM que o público que mais frequenta aquela região são mulheres, negros e negras e LGBT´S. Ressaltamos que em bairros onde a burguesia frequenta e ocupa as ruas também nada disso acontece.

O PSTU defende a Desmilitarização das Polícias Já!
Mas a desmilitarização só representará um passo na transformação radical dessa polícia racista e antagônica aos pobres e trabalhadores, nos marcos da luta contra a democracia dos ricos e seu poder econô­mico. Isso significa acabar com a polícia, reformulando profundamente o modelo de segurança pública e, necessariamente, a própria sociedade.

O PSTU-Florianópolis considera esse ato arbitrário, imoral e injustificável.