No Rio, Amanda Gurgel participa de ato em apoio à greve e do Congresso da Anel

Além do apoio à greve da Educação, professora participa de congresso nacional de estudantes, na UFRRJ

A professora Amanda Gurgel, do Rio Grande do Norte, confirmou a presença hoje, às 18h, na Praça XV, no ato-show "SOS Educação", a convite do SEPE (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação). O evento gratuito terá diversas atrações musicais, como a do grupo Farofa Carioca. A greve da Educação começou no dia 7, mas o governo de Sérgio Cabral ainda não apresentou uma contraproposta.

No ato, Amanda fará um discurso de apoio à greve e por mais verbas para a Educação. "O governo deveria aproveitar o Plano Nacional de Educação para elevar o investimento em Educação para 10% do PIB. Hoje só investimos 5% e o governo gasta mais em renúncia fiscal do que em Educação e Saúde juntas", diz Amanda.

A professora, que ficou conhecida após um depoimento diante dos deputados do Rio Grande do Norte, tem percorrido o país, levando o apoio às diversas greves e movimentos de professores. "As pessoas se identificaram com o vídeo, pois o que eu fiz foi mostrar a nossa realidade, que é igual em todos os estados", afirma. Os vídeos com o depoimento já foram vistos por mais de 3 milhões de pessoas na internet e motivaram a professora a criar um blog (www.blogdaamanda.com.br).

No Rio de Janeiro, a professora também participará de um debate sobre as perspectivas da Educação, no Congresso da ANEL. Até o domingo, 26, cerca de 2 mil estudantes de todo o país estarão reunidos na UFRRJ, na cidade de Seropédica. Eles participam do 1º Congresso da ANEL (Assembleia Nacional de Estudantes – Livre), entidade que que surgiu para ser alternativa à União Nacional dos Estudantes, defendendo um movimento estudantil com total independência política e financeira dos governos.

O congresso também contará com outros convidados, como especialistas em Educação, representantes dos bombeiros e ativistas do Egito e da Espanha, onde a juventude têm ocupado as praças públicas, em protestos por liberdade e empregos, também impulsionados pela internet.