No dia 23, o funcionalismo federal e os estudantes vão tomar Brasília

A semana de 21 a 25 de novembro promete ser muito quente em Brasília. Servidores e estudantes irão unir forças para realizar um grande ato unificado na Esplanada dos Ministérios. A atividade irá exigir do governo o atendimento das reivindicações dos servidores em greve, mas também vai denunciar a tentativa de privatização do ensino público, via reforma Universitária, e a corrupção no governo Lula.

A Fasubra, que reúne os técnicos administrativos das universidades federais, e o Sinasefe, dos servidores e docentes das escolas técnicas, já aprovaram a atividade em seus comandos e assembléias de base. Da mesma forma, o Comando Nacional de Greve dos Estudantes está orientando a incorporação dos alunos nas caravanas que se deslocarão dos estados para Brasília. Infelizmente, até este momento, o ANDES-SN, que organiza os professores universitários, ainda não se manifestou quanto a sua participação na atividade.

Neste momento, quando a greve chega perto do terceiro mês e que as negociações estão, praticamente, paralisadas, é fundamental que todos os setores, sem exceção, se envolvam na construção deste grande ato. É preciso liberar o potencial de mobilização do funcionalismo federal em greve, tomando as ruas de Brasília em protesto contra o governo corrupto de Lula e do PT. Para dar conta das tarefas e organizar a marcha, é necessário unificar os Comandos de Greve dos estudantes e dos servidores em Brasília. Uma boa iniciativa foi a reunião dos estudantes com representantes do Sinasefe e do agrupamento Vamos à Luta (Fasubra), realizada no último sábado, dia 12. Neste encontro, decidiram formalizar um convite ao ANDES-SN para participar do ato e traçaram uma estratégia para derrotar os governistas da Fasubra que têm se colocado contra a unidade com os estudantes e os demais servidores.

Os ativistas da Conlutas e da Conlute estarão à frente da organização das caravanas, ajudando na elaboração de listas de participantes e buscando ônibus para levar o maior número possível de estudantes e servidores ao ato.