Negros e Negras se mobilizam e vão às ruas contra o preconceito, exploração e opressão

Com Mobilizações em todo país contra o racismo, com atos, palestras e atividades artísticasO Dia Nacional da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro, data em que morreu Zumbi do Palmares, em 1695, é um dia de mobilizações. Zumbi e o Quilombo dos Palmares são marcos da luta contra o racismo, simbolizam a resistência ao colonialismo, à opressão e exploração de milhares de negros e negras que foram escravizados. Demonstram a capacidade de luta e de organização dos negros que resistiam aos açoites e as humilhações da senzala, indo à luta e criando milhares de quilombos. Neste dia protesto e mobilizações acontecerão contra o preconceito.

Rio de Janeiro (RJ) – As atividades seguirão durante toda a semana com debates e mobilizações. Haverá atividades até o dia 26 de novembro. No dia 20, uma feijoada e roda de samba com intervenções. Segue as atividades no dia 21 com panfletagem dos movimentos sociais contra a criminalização. Como parte da campanha “O Haiti é aqui”, em solidariedade ao povo haitiano, haverá discussão sobre o tema, nos dias 23 e 24 em universidades e o lançamento da cartilha sobre a ocupação militar do país.

São Paulo (SP) – As mobilizações começam às 10h do dia 20, com um ato no Vale do Anhangabaú, com atividades com apresentações artísticas e passeata até às 16h30.

São Luis (MA) – Como parte das ações nacionais da Semana da Consciência Negra independente dos governos, ocorrerá em São Luís a Marcha da Periferia, organizada pelo movimento Hip Hop do Maranhão Quilombo Urbano, filiado à Conlutas.

A marcha este ano vai para sua quarta edição e mantém viva a resistência da periferia frente aos ataques cometidos pelos sucessivos governos. Em tempos de crise econômica mundial, a burguesia, através do aparelho do Estado, aumenta a repressão sobre os trabalhadores e a juventude da periferia, e tenta a todo custo destruir os movimentos sociais que se mantém firmes na luta.

Salvador (BA) – Haverá o Encontro Nacional Racial da Assembleia Nacional Estudantes Livre (Anel). Em Pernambuco serão realizados debates como parte das mobilizações que ocorrem em todo país.

20 DE NOVEMBRO INDEPENDENTE DOS GOVERNOS
Confira a resolução do Seminário Nacional de Reorganização sobre semana da consciência negra independente de governos

O Seminário delibera a participação na Semana da Consciência Negra Independente dos Governos, de 19 a 25 de novembro de 2009, denunciando a criminalização dos movimentos sociais e a política de extermínio da população negra e indígena neste país.

Considerando:

  • Que no Brasil se produz um verdadeiro extermínio da juventude negra e indígena. Com base no mapa da violência no Brasil a taxa de homicídio da população negra e indígena é superior ao da população branca;
  • Que o pior Índice de Desenvolvimento Humano – IDH do mundo está na população negra e indígena;
  • Que no mês de novembro é fundamental demarcar a luta do povo negro contra todas as formas de discriminação, seja ela de gênero, orientação sexual, raça/etnia, religiosa, entre outras;
  • Que as diversas formas de opressão que o capitalismo impõe, também, são contra os indígenas e as mulheres, devemos consolidar, inclusive no 20 de Novembro, nossa resistência negra, indígena, de mulheres e popular em todo o território brasileiro, reforçando as atividades nos diversos estados contra a faxina étnica, contra o tráfico de órgãos humanos contra o tráfico de órgãos humanos, contra as tropas militares, paramilitares ou qualquer tipo de força repressora que atuam no Haiti;
  • Que os 509 anos de trabalho escravo no Brasil são de negros e indígenas;
  • A profunda crise do capitalismo e os seus desdobramentos sobre o conjunto dos trabalhadores e trabalhadoras no mundo e as conseqüências sobre a população negra e indígena;

    Ergueremos neste 20 de Novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, em alto e bom som, a bandeira de luta pelo Socialismo Revolucionário no Brasil e no mundo.

    Exigimos o reconhecimento e a demarcação imediata das terras quilombolas e indígenas em todo o território nacional e o aumento do IDH das populações negras e indígenas, que é o mais baixo do mundo, como reparação de danos históricos.

    Por esses motivos negamos o Estatuto da Igualdade Racial.

    Viva a Reorganização do Movimento Sindical!

    Viva a construção da Central da Classe Trabalhadora!

    Fontes:

    http://quilombourbano.blogspot.com/
    Blog regional 4: http://sepe4.blogspot.com/
    www.conlutas.org.br