“Na Nicarágua existe uma ditadura”

Daniel Ortega, presidente da Nicaragua

Aaron Farrash é um estudante nicaraguense. Ele está exilado na Costa Rica depois de sua ruptura com a Frente Sandinista em 2009 e falou ao Socialismo Hoje Digital, da Costa Rica. Leia alguns trechos em que ele explica o que pensa do governo de Daniel Ortega.

LEIA A ENTREVISTA COMPLETA AQUI

“A esquerda deve ter claro que na Nicarágua existe uma ditadura e, sobretudo, que o socialismo não é praticado. O que existe é uma gestão do grande capital, uma conduta  que é muito obediente a todos os organismos financeiros internacionais e um governo que tem todos os poderes do Estado cooptados.

Eu acho que há quatro características básicas para se falar de uma ditadura na Nicarágua: a primeira é que sistematicamente foi tornando-se um governo assistencialista, de modo que as pessoas dependessem dele. Em segundo lugar, a cooptação de todos os poderes da República, tais como o Supremo Conselho Eleitoral, a Suprema Corte, a Assembleia Nacional, para usá-los em seu favor e fazer alterações na Constituição.

A terceira característica é a evolução de uma ditadura oculta a um regime de tipo militar muito repressivo, a partir do qual Daniel Ortega se coloca a tarefa de comprar os altos comandos da Polícia Nacional e dos chefes do Exército, podendo, assim, tê-los a seu serviço e aplacar pela força qualquer manifestação contrária ao governo. A quarta é a aliança que Daniel Ortega tem com os setores de poder. Ele é claramente uma das pessoas mais ricas da região, que conseguiu acumular US$ 1,5 bilhões da cooperação venezuelana e levá-los a empresas privadas através de negócios como Albanisa ou através dos vários setores de distribuição de petróleo na Nicarágua. Hoje, a família Ortega é um dos maiores acionistas de empresas na Nicarágua e controla todos os sistemas de distribuição, como é o caso da distribuição de energia.”

People flutter Nicaraguan national flags in front of a line of riot policemen as they protest against the electoral system in Managua, Nicaragua on July 15, 2015. AFP PHOTO / Inti OCON