Moção: Pelo fim da perseguição a Sebastián Romero e todos os lutadores da Argentina

O governo Macri, bem como muitos governos em todos os países, está demonstrando até onde está disposto a chegar para aprovar seu plano de ajuste, já que esta é uma política do capitalismo internacional.

No entanto, milhares de trabalhadores, aposentados e estudantes, sindicatos, organizações políticas, sociais e de direitos humanos foram ao Congresso e passaram a noite protestando para mostrar que estão contra estes planos. Foram recebidos com chumbo e cassetetes; gases e balas de borracha foram usadas não para “dispersar”, mas para machucar e ferir. Durante horas, resistiram à repressão da polícia com o que tinham às mãos. Muitos companheiros e companheiras estão feridos, alguns gravemente, como um companheiro ferido com bala de chumbo e que esteve a ponto de morrer de hemorragia e outro que perdeu um olho. Há mais de 50 detidos.

Os mesmos que atacaram a manifestação, na qual havia muitos camaradas idosos e idosas, agora fazem uma campanha falando “dos violentos” e acusam particularmente o PSTU e um companheiro que aparece soltando um fogo de artifício de venda livre, que geralmente é levado a todas as manifestações, para desacreditar a mobilização, esconder os mais de 50 detidos e a brutalidade da repressão policial.

Sebastián Romero foi candidato a deputado pela FIT, além de ser um conhecido lutador operário e popular, que esteve à frente de reivindicações como o direito à moradia, junto a seus vizinhos, a defesa das fontes de trabalho, em conjunto com seus companheiros da General Motors, quando a multinacional ianque atacou com 350 suspensões-demissões, além de ser solidário a outras lutas da classe trabalhadora. Agora, o governo Macri, por meio de uma promotora, lança um pedido de prisão contra Sebastián.

Este é um ataque a todas as organizações do movimento popular e sindical. Uma “caça às bruxas” contra o PSTU e qualquer organização que se mobilize por seus direitos.

Repudiamos a ordem de prisão e a campanha midiática, rodeamos de solidariedade e defendemos Sebastián e os demais companheiros que permanecem detidos. Exigimos sua imediata liberação e denunciamos a campanha orquestrada por aqueles que, dia a dia, geram a violência social da fome, da miséria e do desemprego. Denunciamos a responsabilidade do governo e das forças de segurança sobre qualquer coisa que possa ocorrer contra essa organização e seus militantes.

Assumir esta defesa é defender o direito de todos os trabalhadores a se manifestar e se defender da repressão.

Enviar adesões em solidariedade ao email [email protected]

Tradução: Isa Pérez