Michael Roberts | Coronavírus: a natureza revida

    Wuhan, província de Hubei 3001 2020 Peng Zhiyong , chefe do departamento de medicina intensiva do Hospital Zhongnan, verifica o registro do diagnóstico de um paciente com seu colega na UTI (unidade de terapia intensiva) do Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan em Wuhan, província de Hubei, na China Central, foto Governo China

    Michael Roberts

    Enquanto escrevo, o novo coronavírus mortal nCoV-2019, relacionado à SARS e MERS, e aparentemente originário de mercados de animais vivos em Wuhan, China, está começando a se espalhar pelo mundo. De acordo com os dados mais recentes, existem pouco menos de 10.000 casos em todo o mundo, com apenas 130 ou mais fora da China[1].

    Até o momento, houve 230 mortes, nenhuma fora da China, ou cerca de 2% de mortalidade, em comparação com 10% do vírus da SARS em 2009. A taxa de disseminação é de cerca de 1,5, um número que parece estar diminuindo, embora seja muito cedo para afirmar.

    Esta infecção é caracterizada pela transmissão entre seres humanos e um período de incubação de cerca de duas semanas antes que se manifeste, de modo que a infecção provavelmente continuará se espalhando pelo mundo.

    Como diz o epidemiologista Rob Wallace, do Instituto de Estudos Globais da Universidade de Minnesota, em Climate and Capitalism, “os surtos são dinâmicos. Alguns se esgotam, incluindo, talvez, nCoV-2019. É preciso o empuxe evolutivo correto e um pouco de sorte para superar a extirpação pelo acaso. Às vezes, hospedeiros suficientes não se alinham para manter a cadeia de transmissão. Outros surtos explodem. Aqueles que chegam ao cenário mundial podem mudar o jogo, mesmo que acabem morrendo. Eles prejudicam as rotinas diárias de um mundo já em tumulto ou em guerra”.

    Wallace acrescenta: “O surto de SARS mostrou-se menos virulento do que parecia à primeira vista. Mas, ainda assim, silenciosamente matou pacientes, em magnitudes muito além desses primeiros relatórios de acompanhamento. O H1N1 (2009) matou até 579.000 pessoas no primeiro ano, produzindo complicações em quinze vezes mais casos do que o inicialmente projetado a partir de testes de laboratório.

    Sob essa percolação generalizada, a baixa mortalidade em um grande número de infecções pode causar um grande número de mortes. Se quatro bilhões de pessoas fossem infectadas a uma taxa de mortalidade de apenas 2% – uma taxa de mortalidade menor que a metade da taxa da pandemia de influenza [gripe comum, ndt] de 1918 – oitenta milhões de pessoas seriam mortas.

    Mas, diferentemente da gripe sazonal, não há “imunidade ao rebanho”, nem uma vacina para retardá-la. Mesmo uma pesquisa acelerada levará, na melhor das hipóteses, três meses para produzir uma vacina para nCoV-2019, supondo que ela funcione. Os cientistas produziram com sucesso uma vacina contra a gripe aviária H5N2 somente após o término do surto nos EUA. Essas incógnitas – a fonte exata, a infectividade, a taxa de transmissão e os possíveis tratamentos – juntas explicam por que epidemiologistas e autoridades de saúde pública estão preocupados com o nCoV-2019.

    Mas, qualquer que seja a fonte específica do nCoV-2019, há uma causa estrutural subjacente: a pressão da lei do valor sobre a agricultura industrial e a mercantilização dos recursos naturais. A comoditização [isto é, transformação de recursos naturais em mercadorias para gerar lucro, ndt]  da floresta pode ter reduzido o limiar ecossistêmico a tal ponto que nenhuma intervenção de emergência pode fazer um surto ser reduzido o suficiente para se autoesgotar. Por exemplo, em relação ao surto de Ebola no Congo (que está reaparecendo), “o desmatamento e a agricultura intensiva podem eliminar o atrito estocástico da agrossilvicultura tradicional, que normalmente impede que o vírus estabeleça uma linha de transmissão suficiente”.

    A causa do surto de nCoV-2019 é supostamente a existência de feiras para animais exóticos em Wuhan, mas também pode ser devido à agricultura industrial de suínos em toda a China. De qualquer forma, “mesmo as espécies mais selvagens de subsistência estão sendo amarradas a cadeias de valor: entre elas avestruzes, porcos-espinhos, crocodilos, morcegos e as civetas, cujos grãos de café parcialmente digeridos [e colhidos em suas fezes, ndt] fornecem café mais caro do mundo. Algumas espécies selvagens estão sendo comercializadas antes mesmo de serem cientificamente identificadas, como um novo peixe-gato de nariz curto encontrado em um mercado de Taiwan”.

    Tudo é tratado cada vez mais como mercadorias alimentares. À medida que a natureza é desfeita lugar a lugar, espécie por espécie, o que sobra torna-se muito mais valioso. Enquanto isso, a expansão de fazendas industriais pode forçar as empresas de alimentos silvestres cada vez mais capitalizadas a penetrar mais fundo na floresta, aumentando a probabilidade de seus trabalhadores contraírem um novo patógeno, enquanto reduz o tipo de complexidade ambiental com a qual a floresta interrompe as cadeias de transmissão.

    Houve muita discussão acadêmica entre marxistas e “ecologistas verdes” recentemente sobre a relação dos seres humanos com a natureza. O argumento é sobre se o capitalismo causou uma “ruptura metabólica” entre o homo sapiens e o planeta, ou seja, rompendo o precioso equilíbrio entre as espécies e o planeta, gerando vírus perigosos e, é claro, o aquecimento global potencialmente incontrolável e as mudanças climáticas que poderiam destruir o planeta.

    O debate é amplo quanto à correção do termo “ruptura metabólica”, porque sugere que em algum momento anterior ao capitalismo havia algum equilíbrio metabólico ou harmonia entre os seres humanos, por um lado, e “natureza”, por outro. Mas a natureza nunca esteve em tal estado de equilíbrio. Sempre mudou e evoluiu, com espécies extintas e novas emergindo muito antes do homo sapiens (a la Darwin). E os humanos nunca foram capazes de estabelecer condições sobre planeta ou sobre outras espécies sem repercussões.

    A “natureza” estabelece o ambiente para os seres humanos e os seres humanos agem sobre a natureza. Citando Marx: “Os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob circunstâncias escolhidas por eles próprios, mas sob circunstâncias diretamente encontradas e herdadas do passado.” [em tradução livre, ndt]

    O que está claro é que a busca interminável do lucro pelo capital e a lei do valor exercem um poder destrutivo não apenas pela exploração do trabalho, mas também pela degradação da natureza. Mas, a natureza reage periodicamente de maneira mortal.

    O surto de coronavírus pode desaparecer como outros antes dele, mas é muito provável que haja mais patógenos e possivelmente ainda mais mortais pela frente. E o surto pode ter apenas um efeito limitado na economia capitalista, através de uma queda no mercado de ações e talvez uma desaceleração no crescimento e investimento globais.

    Mas, poderia ser um gatilho para uma nova crise econômica, porque a economia capitalista mundial diminuiu para quase a “velocidade de estol”[2]. Os EUA estão crescendo apenas 2% ao ano, Europa e Japão apenas 1%; e as principais economias emergentes do Brasil, México, Turquia, Argentina, África do Sul e Rússia estão basicamente estáticas. As enormes economias da Índia e da China também desaceleraram significativamente no ano passado e, se a China sofrer um impacto econômico suficiente devido ao surto de nCoV-2019, isso pode ser um ponto de inflexão.

    Fonte: Michael Roberts, Coronavirus: nature fights back.

    [1] No dia 02/02/20 havia 17.238 casos suspeitos e 361 mortes na China e 148 casos suspeitos em outros países.

    [2] Velocidade de estol é o limite abaixo da qual um avião não consegue ganhar altitude e, portanto, pode cair.

    Tradução: Marcos Margarido