Metroviários têm indicativo de greve nesta quinta contra privatização

Sindicato denuncia ainda falcatrua na licitação das linhas 5 do metrô e 17 do monotrilho

Os metroviários de São Paulo aprovaram em assembleia no último dia 9 um indicativo de greve para o próximo dia 18 de janeiro, quinta-feira, contra a privatização do metrô. O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) quer privatizar as linhas 5 (lilás) e 17 (ouro) em pregão eletrônico marcado para ocorrer na sexta-feira, 19.

Estamos denunciando a privatização do metrô e, mais ainda, estamos divulgando com uma semana de antecedência o nome do ganhador“, denuncia Raimundo Cordeiro, Secretário Geral do sindicato. A entidade teve acesso a informações do Comitê de Privatização que mostra todo o direcionamento realizado na licitação em prol da concessionária CCR.

Tudo o que a CCR propôs como mudança do edital está sendo aceito, como as datas ou a possibilidade da empresa ganhadora subcontratar quem perder, o que inclusive é proibido pois configura cartel”, explica Cordeiro. Uma das regras, por exemplo, coloca como qualificação à concorrente que realizar o transporte metroferroviário de 400 mil usuários por dia, critério no qual apenas a CCR se encaixa, já que opera linhas em São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador.

É um jogo de cartas marcadas“, afirma o diretor. “Mas salientamos que a nossa luta é contra a privatização do metrô, estamos denunciando essas irregularidades para mostrar como isso está sendo fruto de uma fraude“, explica.

Além do indicativo de greve, os metroviários devem fazer um ato público no dia 19 na Bolsa de Valores de SP, quando estiver sendo realizado o pregão eletrônico.