Metalúrgicos da GM aprovam greve de 24 horas em São José dos Campos

Próxima assembleia acontecerá na entrada do segundo turno, às 14h15Os trabalhadores do primeiro turno da General Motors de São José dos Campos aprovaram, na manhã desta quinta-feira, dia 10, greve de 24 horas em protesto ao impasse nas negociações da Campanha Salarial. A mobilização foi aprovada em assembleias realizadas pelo sindicato nos bolsões do MVA e da S10.

Em reunião realizada nesta quarta-feira com o Sinfavea (patrões das montadoras), não houve um acordo. As montadoras apresentaram uma proposta rebaixada com reposição apenas do INPC (4,7%), sendo ainda de forma escalonada. O índice valeria apenas para quem ganha até R$ 6 mil. A partir daí, o índice seria ainda menor.

A fábrica de São José dos Campos possui cerca de 8.300 trabalhadores e produz os modelos Corsa, Zafira, Montana Meriva, S10, Blazer e motores. Com a paralisação, serão deixados de produzir mil veículos.

“A proposta da patronal é uma provocação. Após dois meses de negociações, as empresas só enrolam. Querem reduzir direitos e manter os salários arrochados”, relata o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José, Vivaldo Moreira.

“No caso das montadoras, a sacanagem é ainda maior. Afinal, é o setor que mais se beneficiou da ajuda do governo com isenção de impostos, fez demissões, está com um altíssimo ritmo de trabalho, vendas recordes e, apesar de tudo, fazem uma proposta indecente como essa”, avaliou Vivaldo.

À tarde, haverá novas assembleias com os trabalhadores do segundo turno da GM, com entrada às 14h15.

O Sindipeças (Sindicato das Indústrias de Componente de Veículos Automotores) e a Abifa (Associação Brasileira de Fundição) também ofereceram apenas reposição da inflação. Na negociação de ontem com a Abifa, o sindicato deixou aviso de greve na mesa de negociação. Trabalhadores de duas fábricas de autopeças em São José dos Campos aprovaram, na terça-feira, estado de greve.

As mobilizações pela Campanha Salarial em São José dos Campos começaram no dia 14 de agosto, Dia Nacional de Luta, com atrasos na produção em fábricas do bairro industrial Chácaras Reunidas. No dia 17, os trabalhadores da GM pararam os setores S10 e Powertrain por uma hora e meia. Também houve atrasos na Gerdau e Panasonic.

Assembleia no sábado
A mobilização desta quinta-feira, aprovada pelos metalúrgicos, é uma paralisação de advertência e antecede a última reunião marcada com o Sinfavea para amanhã (sexta, dia 11).

No sábado, dia 12, às 10h, o Sindicato realiza uma assembleia geral na sede da entidade para discutir com a categoria os rumos da mobilização. Se não houver acordo até esta sexta, a proposta é aumentar a luta e ir à greve.

A reivindicação dos sindicatos de São José dos Campos, Campinas, Limeira e Santos, que fazem Campanha Salarial Unificada, é reajuste salarial de 14,65%, redução da jornada para 36h sem redução de salários e sem banco de horas, estabilidade no emprego e ampliação das cláusulas sociais.