Marcha em Brasília já reúne cerca de 20 mil

PM admite 18 mil, organizadores afirmam que há muito mais participantesUma estimativa da Polícia Militar afirma que a Marcha da Conlutas em Brasília conta com a participação de 18 mil pessoas. Dos carros de som, os organizadores avaliam que são no mínimo 20 mil pessoas. Gente de todo o país que se deslocou, sem apoio algum de entidades governistas ou “mesadas” do governo – como ocorreu ontem, no ato organizado pela CUT e pela UNE – para protestar não só contra a corrupção, mas também contra Lula, seus planos e reformas neoliberais e em defesa das reivindicações dos trabalhadores.

“Lula é o pior tipo de traidor”
Este é o caso, por exemplo, de Silvana, que saiu ontem da ocupação do Pinheirinho, em São José dos Campos (SP): “Estou aqui contra o mensalão e a enorme lista de corrupções deste governo e, também, para lutar contra a criminalização dos movimentos sociais, uma das marcas do governo Lula. Lula era a esperança para muita gente e ele nos enganou. Este é o pior tipo de traidor”.

A marcha acaba de fazer uma parada no Ministério do Trabalho e continua se encaminhando para o Congresso. Durante o percurso, estudantes e trabalhadores de Brasília vão se juntando a manifestação.

“Estou aqui porque a Ubes me proibiu de falar contra Lula”
Entre as pessoas que estão se juntando à Marcha, estão muitos que, ontem, se recusaram a participar da farsa montada pela CUT, a UNE, a Ubes e outras entidades governistas. Exemplo disto é Marina, uma estudante secundarista da escola Sigma, no Distrito Federal, que foi à passeata com a cara pintada, como nos tempos da luta contra o governo Collor: “Estou nesta manifestação para porque estou indignada com esta roubalheira e, também, com a UNE e a Ubes. Ontem, eles foram à minha escola e inventaram a história de que o ato que eles estavam fazendo não seria em apoio ao governo. Depois, quando a gente estava passando em sala de aula para chamar os estudantes, a direção da Ubes me proibiu de falar contra o Lula. Foi um absurdo e fiquei revoltada”.