Heloísa Helena faz campanha em BH e visita Mannesman

A senadora Heloísa Helena, candidata a presidente pela Frente de Esquerda Socialista (PSOL-PSTU-PCB), esteve em Belo Horizonte nesta quinta, 27 de julho. Às 11h, ela chegou ao Aeroporto de Confins e foi recepcionada pelos coordenadores e candidatos da frente em Minas Gerais. Entre eles, Vanessa Portugal (PSTU), candidata a governadora pela frente, seu vice, Prof. Pimenta (PSOL), Maria da Consolação (PSOL), candidata ao Senado, Cacau (PSTU), candidato a deputado federal, e Giba (PSTU), metalúrgico e candidato a deputado estadual.

Às 12h, partindo da Praça Sete, começou uma caminhada com cerca de 150 ativistas, que atravessaram o centro da cidade cantando “Frente de Esquerda, é pra valer, pra derrotar os tucanos e o PT!”. Bem humorada e com passos apressados, Heloísa Helena participou do ato, que chamou a atenção dos que passavam. Carregando flores, a senadora distribuía autógrafos e cumprimentava a população da cidade, rodeada de jornalistas e admiradores.

A candidata Vanessa Portugal discursou destacando a difícil tarefa de se contrapor à política de corte de verbas e ajustes fiscais implementada pelo governador Aécio Neves (PSDB). Ao final do Ato, Heloísa Helena defendeu a redução das taxas de juros pela metade e o aumento do investimento nas áreas sociais. Sobre Minas, ela denunciou: “em 1999, a dívida do Estado com o governo federal era de R$ 18 bilhões. Minas Gerais já pagou R$ 22 bilhões e ainda possui uma dívida de R$ 46 bi”. Essa dívida é usada pelo governo tucano, em Minas Gerais, para atacar os direitos dos trabalhadores, achatando os salários e reduzindo os orçamentos na área de saúde e de educação.

Como última atividade do dia, Heloísa Helena, Vanessa Portugal e os outros candidatos foram conversar com metalúrgicos na porta da Mannesmann, na região de Contagem. Às 15h, Heloísa falou para cerca de 800 operários que faziam a troca de turno em frente a Portaria II da Mannesman, uma das maiores fábricas da região, localizada na cidade industrial. Vários trabalhadores da fábrica vieram conversar e tirar fotos com Heloísa Helena, entre eles o companheiro Terremoto, membro da CIPA da Mannesman e da Oposição Metalúrgica de BH/Contagem.

A candidata disse que os baixos salários e as más condições de trabalho são fruto da política do governo, de privilegiar o lucro das grandes empresas, bancos e do agronegócio, ao invés de governar para os trabalhadores e a maioria da população. Defendeu ainda a redução dos impostos pagos pelos trabalhadores e a classe média, e o aumento dos impostos para as grandes empresas e grandes fortunas.

Em Minas Gerais, o programa da Frente de Esquerda Socialista inclui a suspensão do pagamento da dívida pública estadual, o investimento social, a reforma agrária, além da redução das tarifas e impostos pagos pelos trabalhadores. Outro ponto importante é a reestatização da mineradora CVRD (Companhia Vale do Rio Doce), a maior empresa privada da América Latina, que foi privatizada em 1997 por R$ 3,3 bi e hoje lucra, anualmente, cerca de R$ 6 bi.