Greve nacional dos petroleiros da FNP conquista negociação com a Petrobras

Os petroleiros das bases dos sindicatos ligados à Frente Nacional dos Petroleiros realizaram dois dias de uma greve nacional que arrancou sua primeira vitória. A empresa, Petrobras, foi obrigada a chamar, em regime de urgência, nesta terça, 20, uma nova negociação com os sindicatos onde apresentará uma nova proposta.

Os petroleiros demonstraram novamente que somente a mobilização dos trabalhadores pode arrancar alguma coisa dos patrões e somente se ela for forte será boa a sua conquista. Por isso, frente à marcação da reunião de negociação, as bases da FNP suspenderam a greve, mas se mantêm em estado de greve até a nova negociação. Esses sindicatos chamam a direção da FUP a romper com seu imobilismo governista, sair das negociações de gabinete em Brasília e vir para base organizar a campanha salarial e a greve nacional de toda categoria para que possamos arrancar nossas reivindicações.

Direção da FUP paralisada
Não poderia ser diferente. Como a direção da FUP esta colocando todo seu empenho para aprovar os Projetos de Lei do governo Lula, abandonou a campanha salarial e foi para Brasília. Ao invés de atender ao chamado de unidade petroleira da FNP, a FUP tenta abafar a greve nacional e enterrar a luta do ACT.

Com esta política o Conselho Deliberativo da FUP votou a rejeição da proposta, mas não construiu nenhum calendário de mobilização. De última hora, pressionados pela base, não aguentando a pressão dos petroleiros e petroleiras para discutir a campanha salarial convocou, às pressas, assembleias para discutir o movimento em algumas bases, como Caxias e Norte Fluminense.

A FNP propõe que os petroleiros das bases da FUP cobrem sua direção para que atenda ao chamado da FNP, por uma mesa única de negociação e que seja aprovando um calendário unificado de mobilização, incorporando-nos à greve da categoria.

Observando as outras categorias em suas lutas e vitórias salariais, os petroleiros também têm uma tarefa importante a cumprir em período de acordo coletivo: garantir as reposições, aumento real de salário e a manutenção de direitos conquistados historicamente.

FNP mostrou que está disposta a lutar
Mesmo com a atitude divisionista da direção da FUP, a FNP mostrou que está disposta a lutar. Foram dois dias de uma greve nacional, com corte de produção, piquetes, mobilizações e enfrentamentos.

As paralisações realizadas pelos petroleiros da FNP demonstram que há disposição de luta e que com mobilizações podemos dobrar a empresa. Por isso, se a proposta da empresa, dia 20, não for a contento para os trabalhadores, temos que ir a novas mobilizações e agora tem que ser em todo pais para arrancar nossas reivindicações. Assim, os trabalhadores da base da FUP têm que pressionar seus dirigentes para que parem com sua paralisia e vão à luta construindo junto com a FNP um calendário conjunto.