Ministro da Educação, Milton Ribeiro

Nesse dia 22 tivemos acesso a um áudio gravado pela Folha de S. Paulo em que o Ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirma que, a pedido de Bolsonaro, priorizam a liberação de verbas da Educação a partir de negociação com dois pastores. Isso é mais um escândalo absurdo do governo e seus agentes! Num momento em que a Educação é cada vez mais sucateada, o governo escolhe designar suas verbas para agradar pastores e o povo da sua trupe política. É mais um caso de corrupção escancarada por parte do governo, um novo escândalo cuja conta quem vai acabar pagando é a população!

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro e seus ministros atacam a educação e infelizmente não será a última. Em primeiro lugar, o governo de Bolsonaro sempre esteve atrelado a instituições religiosas. É só olharmos a lista de ministros e ex-ministros: Damares (ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos), André Mendonça (Justiça e agora no Supremo Tribunal Federal) e o próprio Milton Ribeiro (Educação). O problema disso é que eles têm políticas conservadoras e que atacam especialmente os direitos dos setores oprimidos. O governo opta por negociar nossos direitos em troca do apoio desses setores. E isso é novamente o que está acontecendo.

Em segundo lugar, a política de Bolsonaro para a Educação é de cortes e ataques. Bolsonaro já ameaçou diversas vezes a educação pública, e já desferiu cortes durante seu governo, por isso inclusive estivemos nas ruas em 2019!

Somos obrigados a ouvir e lidar com esse tipo de coisa, enquanto, na verdade, o que necessitamos é de mais investimentos e verbas para a educação pública, desde a educação básica até a superior! Mais políticas de acesso, permanência e democratização do Ensino, mais política de valorização de funcionários e professores, entre diversas outras pautas urgentes.  Então, é por isso que nós achamos que é necessário lutarmos imediatamente para colocar para fora Milton Ribeiro, um dos responsáveis pela atual falência da educação hoje, junto a Bolsonaro! Não podemos aceitar mais esse ataque e essa corrupção descarada do governo! Negacionista, conservador e de ultradireita! E também lutarmos por fora Bolsonaro e Mourão, que são inimigos da educação pública nesse país!