Encontros com o futuro

    Desde o início de julho, a Juventude do PSTU vem debatendo com centenas de jovens no Brasil inteiro a onda de lutas que invadiu as ruas no mês passado. Discutimos seu futuro e perspectivas. Depois de São Paulo, os Encontros da Juventude Revolucionária serão realizados em vários estados do país.

    Já está mais do que claro que, nas “Jornadas de Junho”, a juventude brasileira não lutou só por R$ 0,20. Ato após ato, novas reivindicações foram se somando e construindo um retrato de um setor social bastante desassistido pelos governos, a começar pelo de Dilma. Porém, se são mais ou menos claras as razões que levaram milhares a lutar, o que fazer daqui para frente merece ser pensado com cuidado. Esse foi o debate central, entre estudantes de universidades
    públicas e privadas, secundaristas e jovens trabalhadores, no Encontro da Juventude Revolucionária, realizado em São Paulo entre os dias 5 a 7 de julho.
    O encontro foi aberto com a participação de Henrique Canary, da Secretaria de Formação do PSTU, e Ronaldo Léon, jovem militante da Liga Internacional
    dos Trabalhadores – Quarta Internacional (LIT-QI), organização a qual o PSTU mantém relações políticas. Ronald explicou que o papel cumprido pela juventude no Brasil também foi e ainda é visto nas lutas no Norte da África, Europa e EUA, o que empolgou os presentes. Segundo Giovanna Serra, estudante secundarista presente, “o capital não tem gerado apenas problemas nacionais” e conhecer o que se passa em outras partes do mundo “foi incentivador, uma vez que não estamos sozinhos”.
     
    Para Canary, abriu-se uma “janela” na consciência de milhares de jovens que foram à luta em junho. Tudo o que parecia natural poucos meses antes passou a ser questionado, inclusive que pequenas mudanças podem garantir direitos à população. Para Beatriz Prates, estudante de Direito do Mackenzie, ficou a certeza de que a “reforma não é a solução para o fim da exploração e das opressões. Apenas a revolução pode trazer aquilo que desejamos, construir a sociedade pela qual lutamos”. No dia seguinte, os grupos de discussão aprofundaram os debates. Foi discutido como o capitalismo se vale de diferenças
    naturais entre as pessoas para potencializar a exploração da classe trabalhadora: o combate ao racismo, machismo e homofobia esteve no centro. Os
    grupos de discussão sobre esses temas “foram muito bons, porque discutiram assuntos frequentes no dia a dia, mas com uma perspectiva bem classista, diferente do que é proposto geralmente”, afirmou Beatriz.
     
    À noite, Wilson Honório, da Secretaria de Negros e Negras do PSTU, debateu com os presentes o filme  Terra e Liberdade, de Ken Loach. Em seguida, houve
    uma animada festa, quando a juventude revolucionária mostrou que a alegria é parte inseparável da luta por mudar o mundo. Na manhã do domingo, dia 7, os participantes repuseram as energias jogando futebol, nadando na  piscina ou praticando “slackline” (espécie de corda bamba) e se prepararam para o debate final, no qual Valério Arcary tratou dos caminhos da revolução brasileira e a necessidade da organização revolucionária.
    Valério falou por quase duas horas, sempre sob os olhares atentos dos participantes. Após responder às perguntas do público, afirmou que os desafios colocados são enormes e que a história exige de nossa geração audácia para cumprirmos as tarefas postas. “Sejam valentes!”, conclamou o dirigente do PSTU ao final. 
     
    Reunir a juventude revolucionária no Brasil e no mundo
    O próximo encontro da juventude será realizado em Brumadinho (MG) e reunirá jovens de Belo Horizonte durante três dias de debates e muita diversão.
    Depois de Minas, se realizarão encontros, até o início de agosto, em vários outros estados do país, como Rio Grande do Sul e Ceará.
    Mas não é só no Brasil que a juventude revolucionária se encontra para debater como mudar o mundo. Ao longo de julho, outros partidos que tem relações
    com a LIT farão acampamentos de jovens. No Estado Espanhol, a Corriente Roja reunirá, entre os dias 25 e 28 de julho, jovens de vários países europeus, como Bélgica, Inglaterra, Alemanha, Itália, Portugal, além do próprio Estado espanhol. O principal tema em debate será “O imperialismo e a União Europeia”, pois no velho Continente hoje há um grande debate se a solução dos problemas dos diversos países passa ou não pela ruptura com a UE. O Movimento Alternativa Socialista (MAS), em Portugal, também fará um acampamento de jovens revolucionários no qual debaterá temas europeus e os processos revolucionários da Turquia e da Síria. 
     
    Participe dos Encontros da Juventude Revolucionária!
    Não faz muito tempo, era comum que os jovens encontrassem as revoluções somente nos livros de história. Esse tempo passou. Hoje, nossa geração é
    parte fundamental de profundas mudanças em diversos países e agora também no Brasil. Procure o PSTU na sua cidade e participe dos encontros. Vem com a gente fazer revolução!

    Post author Israel Luz, de São Paulo
    Publication Date