Embraer quer multar o sindicato dos metalúrgicos em R$ 4 milhões

Ataque é por causa de uma assembléia realizada em 1999 na porta da empresaEm mais um ataque à organização dos trabalhadores, a Embraer está tentando impor uma multa de R$ 4 milhões ao Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP). Este é um gravíssimo ataque à toda a categoria, pois o objetivo é inviabilizar o funcionamento da entidade e enfraquecer a organização dos trabalhadores.

Esta multa é decorrência de uma ação judicial que a Embraer entrou contra o sindicato, em 1999, em razão da realização de uma assembléia na porta da fábrica.

A Embraer utilizou um “interdito proibitório” visando multar o Sindicato a cada assembléia realizada na portaria da empresa ou até mesmo em virtude da distribuição de boletins. O interdito é uma ação judicial que foi criada para proteger uma propriedade. Contudo, recentemente, os empresários passaram a usar o interdito como forma de atacar os trabalhadores e barrar suas mobilizações.

Com a ajuda da Justiça, as empresas têm conseguido interditos que proíbem a realização de qualquer manifestação, assembléia, passeata ou greve, até mesmo antes que ocorram.

Em nossa região, outras empresas também já utilizaram esse mecanismo, como a Latecoere, Aernnova, LG.Philips e NovaDutra.

Impõe-se também pesadas multas aos sindicatos e movimentos sociais, para inviabilizar e tentar destruir as entidades.

Assim como na época da ditadura militar, o objetivo é impedir que os trabalhadores exerçam o direito de greve e de livre manifestação, bem como reprimir a ação sindical. O interdito fere, inclusive, a Constituição Federal e convenções da OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Multa passou de R$ 20 mil para R$ 4 milhões
Uma multa de R$ 4 milhões a qualquer entidade sindical visa claramente inviabilizar e destruir a organização dos trabalhadores. O mais absurdo ainda no caso da Embraer é que o valor inicial era de R$ 20 mil e, de uma hora para outra, saltou para R$ 4 milhões.

Coincidentemente, no mesmo período em que foi cassado o Sindiaeroespacial, o sindicato que a Embraer tinha como aliado, a empresa faz este ataque para tentar inviabilizar a luta do Sindicato dos Metalúrgicos.