Em Madri, a batalha pela Puerta del Sol

Manifestantes tentam retomar praça

#Nopararemos ‘Indignados´ são expulsos de praça, sofrem repressão, mas continuam mobilizadosNa cidade em que viu surgir os ‘indignados´ da Espanha, milhares de jovens e trabalhadores lutam contra a polícia pelo direito de reocuparem a Praça Puerta Del Sol, no centro de Madri, símbolo do Movimento 15-M e epicentro dos protestos que se alastraram pelo continente.

Nesse 1º de agosto, a polícia desalojou à força os jovens que ocupavam a praça há dois meses e meio. O movimento, porém, não aceitou pacificamente a expulsão e pretende reocupar o local e prosseguir com a mobilização contra o desemprego e a política econômica recessiva imposta pelo governo espanhol. Uma verdadeira jornada de luta pela retomada da praça está em marcha.

Nesse dia 3, uma manifestação ocupou as ruas e avenidas próximas à Praça. De 1.500 manifestantes no início, o protesto chegou a reunir mais de 5 mil jovens à noite, segundo a imprensa do país. A repressão só está aumentando o ânimo dos ativistas, que marcharam pedindo “uma greve geral já”. “A luta segue, custe o que custar”, era o lema dos indignados.

A polícia, por sua vez, ocupou militarmente a praça, fechando o trânsito, a estação de metrô e restringindo a passagem de pedestres. O governo local e o Ministério do Interior informaram que não permitirão a volta dos acampados à praça, nem na Puerta del Sol nem em qualquer outro lugar. Os ativistas denunciam o caráter ilegal dessa medida, que impede a liberdade de livre circulação.

Comerciantes da região vinham pressionando o governo para retirar os acampados da praça. O 15-M, porém, denuncia que a decisão está ligada à visita do Papa Bento 16 à cidade na segunda quinzena de agosto. A visita está sendo fortemente questionada devido aos gastos que o governo deve dispender ao líder do vaticano, num momento de crise e cortes.

Repressão
Nesse dia 4 de agosto, os manifestantes marcharam pelas ruas de Madri pelo terceiro dia consecutivo, em mais uma tentativa de retomarem a praça, cercada por centenas de policiais. À noite, porém, quando os jovens partiam da praça Cibeles e se aproximavam do prédio do Ministério do Interior, a polícia reprimiu fortemente o protesto pacífico. Pelo menos três jovens foram detidos e pelo menos dez ficaram feridos.

Logo após a repressão, os manifestantes já se reuniam novamente em assembleia para definir os rumos do movimento. Ocorreram atos de solidariedade aos indignados de Madri em outras regiões, como Valência. A tag #nopararemos foi divulgada no twitter como mostra da motivação dos manifestantes.

Em Madri, a batalha pela Puerta del Sol simboliza mais que em qualquer outro lugar a luta pelo futuro e os rumos da crise que se abate sobre o continente.