Em assembleia com mais de 2 mil pessoas, estudantes decidem manter ocupação da Reitoria da USP

Assembleia com mais de 2 mil estudantes
(Foto: DCE-USP)

Próxima assembleia está marcada para quinta-feira; até lá, estudantes decidiram um calendário de atividades

 
A mobilização dos estudantes da USP cresce cada dia mais. Na terça, dia 1º de outubro, os estudantes ocuparam a reitoria, exigindo mais democracia na universidade e eleições diretas para reitor. Hoje, na USP, quem decide quem será o reitor da Universidade é o Governador do Estado, através de uma lista tríplice indicada pelo Conselho Universitário. Os estudantes exigem que o reitor seja eleito pela comunidade acadêmica através de voto direto e paritário.
 
Logo após a ocupação, os manifestantes convocaram uma assembleia que contou com a participação de mais de mil estudantes e decidiram pela continuidade da ocupação e greve geral estudantil!
 
Vários cursos já aderiram a greve através de assembleias locais. Os estudantes dos cursos de Ciências Sociais, Letras, História, Geografia, Comunicação e Artes, Pedagogia, EACH, Enfermagem e Relações Internacionais, já estão com as atividades paralisadas. Na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Farmácia, Matemática e Estatística, há indicativo de incorporação à greve.
 
O reitor Rodas continua numa postura intransigente e nega-se a dialogar com o movimento. Ontem deu entrada no pedido de reintegração de posse imediata junto ao Tribunal de Justiça. O pedido foi negado, e o TJ deixou marcado para o dia 08, deste mês, uma audiência de negociação entre a reitoria e representantes das três categorias em luta, professores, técnicos e estudantes. No dia, os estudantes farão um ato em frente ao TJ, para que a negociação aconteça de fato.
 
A ocupação realizou ontem uma grande assembleia, que contou com a participação de mais de 2 mil estudantes e decidiu pela continuidade da ocupação da reitoria e da greve geral dos estudantes. Além disso, foi aprovado um calendário de atividades da ocupação:
 
Segunda: Participação no ato em solidariedade ao Rio de Janeiro, às 17h, no Masp
Terça: Ato em frente ao Tribunal de Justiça às 14h
Quarta: Ato Unificado com a Unicamp, às 17h, no Masp.
Quinta: Assembleia Geral às 18h.
 
Ocupação da Reitoria da Unicamp
Seguindo o exemplo da USP, os estudantes da Unicamp também ocuparam sua reitoria ontem à noite. Eles fizeram uma assembleia com mais de 500 estudantes e decidiram por unanimidade ocupar a reitoria. A principal pauta da ocupação é a exigência da retirada imediata da Policia Militar do campus.
 
Após a morte de um estudante em uma festa dentro da Unicamp, a reitoria, através de uma decisão autoritária, sem consultar a comunidade acadêmica, fechou um convênio com o governador do estado, Geraldo Alckmin (PSDB), que coloca como solução de segurança a PM dentro do campus da universidade. Os estudantes afirmam que só desocuparão a reitoria após a retirada da PM do campus e um acordo que garanta que não haverá punições a nenhum dos lutadores.