Foto: Secretaria de Segurança Pública do Ceará

Manoel Guimarães Filho, 3º Sgt da Polícia Militar

É preciso dizer o óbvio: PM’s são trabalhadores! E trabalhador que faz greve por melhores condições de vida, não importando a categoria, nunca deve ser tachado como bandido. É muito fácil para um magistrado, que recebe R$ 30 mil, R$ 50 mil, R$ 100 mil por mês, sempre acima do teto constitucional, apontar o dedo para um trabalhador, cujo salário não ultrapassa R$ 3.500 por mês, e tachá-lo de bandido. Esse nível de hipocrisia deveria causar mal-estar em todos nós. Sim, é verdade, a Constituição não permite a greve aos militares. Mas também não permite aos magistrados. E, no entanto, mesmo com tal regramento proibitivo, eles fizeram greve pra exigir a permanência do auxílio-moradia, um puxadinho que estupra a ética e que viola a própria Constituição de 88, mesmo que todos eles tenham casa própria para morar.

É muito fácil criminalizar a ação desesperada desses trabalhadores que, dentro de um sistema de segurança caótico, ineficiente, que mata pobres e pretos das periferias, além de policiais aos montes, são a parte mais fácil de atingir. É muito fácil culpar a PM e os PM’s quando esse sistema é feito para dar errado. Alguém já se perguntou: Por que diabos os corpos de bombeiros são militares? E a quem interessa que as PM’s continuem militarizadas? Eu sei a quem interessa. Mas vocês já se perguntaram sobre isso? E por favor, não me venham com essa conversa de que PM’s não podem grevar porque está na lei. Ora, a escravidão negra no Brasil também estava na lei. Uma lei desumana, monstruosa, cuja obrigação de todo ser humano decente, era desobedecer. A lei que proíbe uma categoria de trabalhadores de exercer seu direito humano de lutar por melhores condições de vida e por dignidade é uma lei estúpida e desumana, fere de morte a Declaração Universal Dos Direitos Humanos e deve ser ignorada, lutemos para transformá-la. A interpretação de que nenhuma categoria de trabalhadores armados pode fazer greve é uma interpretação indecente, viola a própria Constituição, pois retira o direito de greve dos policiais civis, rodoviários federais e policiais federais.

Os PM’s são obrigados a fazer a greve. Ninguém os ouve. Não existe nenhuma instância em que eles possam discutir e encaminhar as suas desgraças e demandas com capacidade de resolução. Não há. É muito fácil proibir. Mas sem uma instância oficial que receba as reivindicações desses trabalhadores, que dialogue com eles sobre suas problemáticas, e dê respostas objetivas, rápidas e satisfatórias, é certo que uma hora a insatisfação, somada à frustração, à vida dura da caserna, e ao baixo salário, vai irradiar para fora dos muros dos quartéis. Portanto, insistir nesse absurdo de apenas proibir é manter a sociedade brasileira sob o constante risco de greve desses trabalhadores.

Passa pela cabeça de alguém que algum policial deseja fazer greve, pondo em risco sua única fonte de sustento de sua família e, ainda, lançar a sociedade ao caos? Sociedade que ele jurou proteger com o risco da própria vida! Todos os direitos de um trabalhador comum foram negados ao trabalhador PM, vão negar o direito de gritar por direitos? Não confundam DEFESA, atribuição das Forças Armadas, com Segurança Pública que é atribuição das PM’s. São coisas muito distintas (lembrando que, novamente, errou-se em fazer uso do Exército em matéria de segurança pública no Ceará, é impressionante como não aprendem!).  E não me venham com essa de que, quem porta arma, não pode fazer greve. Ora, até nos Estados Unidos da América do Norte policiais têm direito de fazer greve, além de em grande parte da Europa.

Para terminar, é um completo absurdo comparar os colegas do Ceará com milícias. Alguém já viu greve de milicianos? Miliciano não faz greve por melhores condições de vida! Seu negócio é o crime. Greve é ação típica de trabalhadores. Policial bandido não faz greve. Com greve não tem a propina, não tem o arrego da boca! Só trabalhadores fazem greve. A luta dos colegas do Ceará é justa e está de acordo com os Direitos Humanos.

Enfim, no futuro, nós policiais precisamos tomar mais cuidado com certas atitudes e evitarmos certos erros estratégicos cometidos no Ceará. Não convém PEDIR ao comércio que feche suas portas porque não tem segurança, essa é uma decisão que cabe somente a eles do comércio. Ao agirem assim permitiram que os meios de comunicação construíssem a narrativa nos meios midiáticos e narrassem uma realidade, distorcendo-a, em que os PM’s ameaçavam e ordenavam o fechamento do comércio local, uma mentira, claro. Continuando, se a nossa luta é por direitos e dignidade, é fundamental mostrarmos a nossa cara de homens e mulheres trabalhadores, típico daqueles dispostos a dar a vida no cumprimento do dever, não dando margem para sermos explorados pela mídia como bandidos mascarados, isso joga a opinião pública contra o movimento, e carecemos do apoio popular.

Acabando. O uso de armas durante manifestações deve ser nenhum. É preciso deixar claro que o movimento é pacífico e, nesse caso, não basta ser pacífico, tem que parecer pacífico.

Agora acabo mesmo. Nada justifica a ação tresloucada, irresponsável (e criminosa?) do senador licenciado Cid Gomes contra o movimento. Ele poderia ter matado pessoas com aquela máquina dos infernos (alguém sabe se ele tem habilitação para operar aquela máquina? Duvido. Com a palavra o Ministério Público). O fato é que, depois daquilo, toda a opinião pública virou e ficou contra os trabalhadores do Ceará. Outra coisa, não é curioso, e contraditório que o governador do Ceará, do Partido dos Trabalhadores, fale em demitir PM’s grevistas? Logo eles que dizem defender todos os trabalhadores e que tiveram tempo e condições para desmilitarizar a segurança pública , humanizar ou desmilitarizar as PM’s e não o fizeram durante o tempo em que estiveram no planalto… De novo a esquerda perde oportunidade de dialogar com esses trabalhadores e discutir caminhos que solucionem seus problemas e os problemas da segurança pública…

Também é importante, num momento de extrema polarização na política brasileira, os PM’s não se deixarem cooptar por nenhum lado. Não podemos nos deixar ser manipulados por quem quer que seja, da esquerda, da direita ou do centro. Não podemos ser acusados de estarmos a serviço de alguém. Não podemos ser bucha de canhão para ninguém, daí a importância de não permitirmos a aproximação de pessoas que só querem se projetar e alcançar cargos eletivos. E devemos sempre lembrar: Se o governo Bolsonaro tivesse preocupação real conosco, ele não teria aumentado nosso tempo de serviço para 35 anos… Ou alguém consegue realmente se imaginar numa viatura, numa escala de 12 horas, com 60 anos de idade?

Enfim, e por fim, há lições para serem aprendidas nessa paralisação dos PM’s do Ceará, aprendamos todos. Viva aos trabalhadores da PM do Ceará! Viva aos trabalhadores das PM’s do Brasil!

10 de março de 2020

Manoel Guimarães Filho é 3º Sgt PM na PMMA