Congresso do SEPE-RJ aprova plebiscito sobre a CUT

Golpe evita a desfiliação imediata do Sindicato dos Profissionais de Educação do RioO XI Congresso do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe) foi realizado entre os dias 9 e 11 de junho. O Congresso, um dos mais representativos da história, contou com cerca de 1.200 delegados inscritos e foi polarizado pela polêmica sobre a relação do sindicato com a CUT.

A Alternativa de Classe – Oposição, movimento que reúne ativistas independentes e militantes do PSTU, do Reage Socialista e do Grupo Marxista de Pedra de Guaratiba defendeu, juntamente com outros importantes setores não-cutistas, a imediata ruptura com a CUT.

Outras duas propostas sobre o tema, porém, foram à votação. A primeira, apresentada pelo bloco majoritário da direção da central e seus aliados, previa somente a manutenção da filiação. A segunda, apresentada pela chamada “esquerda da CUT”, propunha um plebiscito, desrespeitando a deliberação da Conferência do Sepe, de novembro de 2004, que apontava esse Congresso como o fórum legítimo para essa definição.

Embora a proposta da desfiliação imediata tivesse a maioria dos votos entre as três propostas, com 278 votos (39%), uma manobra de encaminhamento uniu o bloco majoritário da CUT e a dita esquerda cutista. Apresentaram e aprovaram uma proposta pela manutenção da filiação, colocando o plebiscito não como uma terceira proposta, mas um desdobramento da manutenção da filiação.

Foram os votos da esquerda da CUT que deram a vitória para o bloco majoritário, o que se comprova pelo fato de que, quando todos os setores mais críticos ao governo Lula estiveram juntos em uma votação, como na resolução contra as reformas, os governistas foram derrotados com mais de dois terços dos votos.

É uma derrota que o Sepe siga filiado à CUT. O sindicato paga R$ 43 mil mensais à Central. Portanto, até a realização do plebiscito (que deve ocorrer junto com a eleição do Sepe, em junho de 2006) já teremos pago mais de R$ 500 mil à Central governista. Mesmo denunciando o golpe, a maioria dos delegados identificados com a Alternativa de Classe – Oposição votou pelo plebiscito, pois, mesmo com todo o atraso, a categoria poderá finalmente decidir.

O Congresso aprovou também o apoio à luta dos trabalhadores bolivianos pela nacionalização do gás, e a exigência de que Lula retire imediatamente as tropas brasileiras do Haiti.
Post author Gualberto Pitéu, do Rio de Janeiro (RJ)
Publication Date