Comitê realiza debate sobre Oriente Médio nesta quinta-feira

Nesta quinta-feira, 21 de setembro, acontece a partir das 19h30 no plenarinho da Câmara Municipal de São Paulo (Viaduto Jacareí, 100, Centro, São Paulo/SP) o debate “A questão árabe e a política imperialista para o Oriente Médio“. Promovido pelo Comitê de Solidariedade aos Povos Árabes, o evento lembrará os massacres nos campos de refugiados de Sabra e Chatila, ao sul de Beirute.

Ocorridos há 24 anos, entre 16 e 18 de setembro de 1982, durante invasão do Líbano por Israel, contaram com o auxílio de tropas desse último país – lideradas pelo então ministro de Defesa, Ariel Sharon, tendo como resultado o assassinato de mais de 2 mil palestinos desarmados, entre homens, mulheres e crianças. Um vídeo de 15 minutos, que é parte de um documentário da Al Jazeera sobre Sabra e Chatila, abrirá o debate.

Além disso, será abordada a conjuntura atual no Líbano e na Palestina e a questão árabe frente às políticas que estão sendo implementadas no Oriente Médio. O debate contará com a presença do jornalista José Arbex Jr., do professor Salem H. Nasser e do militante de origem judaica Waldo Mermelstein.

`Cartaz`

Os debatedores
José Arbex Jr., jornalista e escritor, é doutor em história pela USP (Universidade de São Paulo), professor de jornalismo da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica) e editor especial da revista Caros Amigos. É autor de diversos livros, entre os quais “Terror e Esperança na Palestina“.

Salem H. Nasser é doutor em direito pela USP (Universidade de São Paulo) e professor de Direito Internacional da Fundação Getúlio Vargas. Autor de diversos artigos sobre o tema.

Waldo Mermelstein, analista de sistemas e tradutor, militante de origem judaica, é um dos fundadores da corrente Liga Operária e membro do PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado).

Comitê de Solidariedade aos Povos Árabes reúne uma série de entidades da sociedade civil, incluindo as que representam a comunidade árabe em São Paulo e no Brasil. O Formou-se após a investida do governo de Israel no Líbano, iniciada em 12 de julho. Desde então, o Comitê vem realizando uma série de ações contra o massacre dos povos desse país e da Palestina.

Entre os seus pleitos ao governo brasileiro está o de que oponha-se publicamente ao massacre dos povos palestino e libanês por Israel; não assine o Tratado de Livre Comércio entre Mercosul e Israel; retire imediatamente o Embaixador do Brasil em Israel sob forma de protesto; atue na reconstrução do Líbano e Palestina e reparação aos danos causados às suas populações.