Começou nesta segunda o Encontro Internacional dos Atingidos pela Vale

Do dia 12 ao dia 15 de abril de 2010, cerca de 150 pessoas de diferentes nacionalidades estarão reunidas no Rio de Janeiro para discutir a atuação da Vale e os violentos impactos socioambientais causados nos mais de vinte países em que está presente. O I Encontro Internacional dos Atingidos pela Vale será a consolidação de uma rede formada por movimentos, sindicatos e organizações dos cinco continentes.

Qual Vale você conhece?
A da propaganda, todos já viram. Uma empresa de funcionários sorridentes, trabalhando a serviço do “progresso” do país, investindo na preservação do meio ambiente e no “desenvolvimento” para o povo brasileiro.

Serão esclarecidos
Quais são os danos causados pela atuação da Vale? Quais as consequências para a região e para as populações locais? Qual é a postura da mineradora diante das reivindicações de comunidades atingidas e de trabalhadores sindicalizados? Quais os crimes cometidos nesses processos? E, por fim: de que maneira altos círculos do poder político e econômico se articulam para que empreendimentos gigantescos sejam viabilizados a qualquer custo, independente de irregularidades e de violações de direitos?

Atingidos pela Vale
Se hoje os atingidos pela Vale se reúnem, é justamente porque conhecem de perto o que existe para além da propaganda da Vale. Se articulam, trocam experiências e lutam em conjunto, porque percebem que por trás do discurso da empresa está a sua agressividade e seu poder destrutivo. Sabem, por exemplo, que o papo de “sustentabilidade” tenta esconder os irreversíveis impactos causados ao meio ambiente; que a história de “responsabilidade social” é contada para ocultar o desrespeito aos direitos das comunidades atingidas pelos empreendimentos da Vale; que a divulgação da imagem de funcionários satisfeitos não apaga o desrespeito a leis trabalhistas nem a intransigência e a arrogância no trato com trabalhadores sindicalizados.

No verso do bonito quadro vendido na TV e nas revistas, atrás da empresa compromissada com a vida e com o “desenvolvimento” do país, os atingidos pela Vale encontram a obsessão transnacional pelo lucro e pela máxima concentração de riquezas. Encontram desrespeito, injustiça, pobreza, sofrimento, morte. Por isso Lutam!