Ato unificado do funcionalismo estadual reúne 3 mil em São Paulo

Manifestação marcha em direção à Secretaria de Ensino Superior
Diego Cruz

Cerca de três mil manifestantes realizaram um ato contra o governo Serra e a política neoliberal do governo Lula nesse dia 15 de junho na capital paulista. O protesto reuniu professores da rede estadual, o funcionalismo estadual e, principalmente, funcionários, professores e estudantes das três universidades estaduais paulistas, USP, Unesp e Unicamp.

O ato teve início após a assembléia dos professores da rede estadual, realizada no vão do MASP. Os manifestantes saíram em marcha pela Avenida Paulista em direção à Secretaria de Ensino Superior, no centro da cidade. Participaram ainda do ato a Conlutas, Intersindical e setores da CUT. “USP, Unesp, Fatec e Unicamp, na luta professores, funcionários e estudantes”, gritavam os manifestantes, ressaltando a unidade entre trabalhadores e estudantes.

Repressão
A PM tratou a manifestação pacífica com intransigência e truculência. Mesmo ocupando apenas uma das faixas da Paulista, a manifestação foi comprimida por policiais de moto, de modo que uma das pistas fosse liberada para o trânsito. Em alguns momentos, a PM utilizou spray pimenta para expulsar os manifestantes da pista. Carros da Força Tática acompanharam o ato durante todo o trajeto e um policial armado de uma escopeta desfilava de forma ameaçadora entre os estudantes.

No entanto, mesmo com toda a provocação deliberada da PM, a marcha prosseguiu até a Secretaria de Ensino Superior, contando com forte apoio da população durante o trajeto. Aproximando-se da secretaria, a polícia mais uma vez tenta intimidar os manifestantes e retém o carro de som num cruzamento. Foi preciso bastante pressão para que a PM permitisse que o carro acompanhasse a passeata.

Já ao final da tarde, os manifestantes alcançaram o prédio da secretaria. O quarteirão foi praticamente sitiado pela PM, que isolou a área que circunda a secretaria. Além disso, mais uma vez o carro de som foi bloqueado, não podendo se aproximar do ato. Uma coluna formada por policiais se postou no meio da rua, impedindo a passagem do carro e dividindo a manifestação. No entanto, mais uma vez os estudantes pressionaram e fizeram com que os PM´s se retirassem.

No encerramento do ato, os estudantes realizaram uma assembléia e fizeram um chamado ao Encontro Nacional que ocorre dia 16 na reitoria ocupada da USP.