Ato reúne 400 pessoas contra a repressão à greve da Uerj

Reitoria evitou negociações por oito meses e anuncia o corte de ponto, a partir de 1º de marçoUm ato-assembléia contra a repressão aos servidores grevistas ocorreu nesta terça, 22 de fevereiro, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Cerca de 400 pessoas, de 25 entidades do movimento sindical, estudantil e popular estiveram presentes.

O ato teve início por volta das 14h30, com concentração no auditório 13 do campus. No mesmo local, os servidores realizaram sua assembléia, votando pela continuidade da greve, que já dura mais de oito meses. Os manifestantes seguiram em passeata até a reitoria para tentar uma audiência, mas o reitor e seus representantes não estavam presentes para atender os grevistas.

Repressão aos grevistas
Diante dos oito meses e da força do movimento grevista, o governo estadual resolveu acenar com negociações. Por outro lado, a reitoria assume uma postura cada vez mais repressora, anunciando o corte de ponto a partir de 1º de março e entrando na Justiça contra a ocupação dos espaços da universidade.

Com esse ato de terça-feira, os servidores e também os lutadores de todo o movimento sindical, estudantil e popular combativo demonstraram à reitoria que a greve não se curvará diante da truculência e seguirá com força até a vitória.

Solidariedade – Mensagens de repúdio aos ataques da reitoria e pela exigência do atendimento das reivindicações podem ser enviadas para o fax (21) 2284-5033.

SAIBA MAIS: