Ato no Pinheirinho lembra Zumbi

No último dia 21, o acampamento Pinheirinho em São José dos Campos (SP) homenageou Zumbi dos Palmares. Cerca de 200 pessoas estiveram presentes no barracão de assembleias, na Praça Quilombo dos Palmares. O ato foi bastante forte, assim como tem sido todas as atividades dos moradores do Pinheirinho. Estiveram presentes, vários dirigentes sindicais e políticos.

Em todos os discursos o acampamento foi comparado a um quilombo, por sua resistência aos poderosos. Também foi contada a história de Zumbi. Vários oradores falaram da luta do povo haitiano contra a ocupação das tropas da ONU, liderada pelo Brasil a mando do imperialismo para explorar o povo negro. A ocupação visa transformar o Haiti em uma plataforma de exportação de produtos têxteis e álcool combustível, aproveitando a mão de obra mais barata da América.

Também foi denunciada a guerra, do negro Obama, contra o Iraque e Afeganistão. Apesar de ser negro, Obama não é nosso irmão.

A praça foi batizada de Quilombo dos Palmares na comemoração do Dia da Consciência Negra do ano passado, através da votação da população da comunidade.
Este ano foi votado que duas datas serão para sempre comemoradas naquele local pelos moradores: o dia 26 de fevereiro, aniversário da ocupação, que começou em 2004; e o dia 20 de novembro, dia da morte de Zumbi. Apesar de 300 anos separarem as duas datas, a luta continua a mesma. A liberdade de nossa classe ainda não foi conquistada.

Um exemplo disso é a liminar para demolição das moradias, que foi votada pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) a pedido da prefeitura. Mas os moradores estão dispostos a resistir, com todas as forças, como fez Palmares há três séculos, caso a prefeitura tente derrubar as casas.

A luta do povo negro é a mesma luta de todos os irmãos de classe dos ocupantes do Pinheirinho. Ali, como em um Quilombo, convivem negros, brancos e quem mais vier buscar de um pedaço de chão para viver descentemente. Todos que sonham com, liberdade, solidariedade e uma sociedade mais humana e justa, encontram na ocupação o seu canto.