A luta pela revolução

AS ORIGENS

1974
Integrantes da Liga Operária, fundada um ano antes em Buenos Aires, começam a retornar ao Brasil e a construir clandestinamente a organização. A Liga será a corrente que dará início à Convergência Socialista.

1977
Três militantes da Liga são presos numa panfletagem. Como protesto, mobilizações estudantis saem às ruas pela primeira vez.

1978
Janeiro – a Liga realiza o lançamento de um movimento pró-partido socialista. Aprova-se a proposta de dar ao movimento o nome de Convergência Socialista (CS).
Agosto – a maioria da direção da CS e Nahuel Moreno são presos pela ditadura. A campanha por sua libertação inclui uma greve de fome e tem repercussão internacional. O escritor Gabriel García Márquez se pronuncia pela libertação de Moreno.

1979
Janeiro – aprovada a moção pela fundação de um
partido dos trabalhadores no Congresso dos Metalúrgicos de São Paulo, em Lins. A moção é proposta pelo Sindicato de Santo André através de Zé Maria.
Março – militantes da CS ajudam a deflagrar uma greve metalúrgica em Santo André e São Caetano do Sul.

1980
Fevereiro – é fundado o PT. A CS entra no partido e atua como corrente interna.
Maio – durante a greve dos metalúrgicos do ABC, a polícia prende vários sindicalistas, entre eles Lula e Zé Maria. Eles ficam 31 dias presos.

1984
Junho – chapa apoiada pela CS vence eleição do Sindicato dos Metalúrgicos de BH e Contagem.

1985
Grande greve bancária nacional. O Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, em que muitos diretores são da CS, como Cyro Garcia, está à frente da greve.

1987
Janeiro – no dia 25 morre Nahuel Moreno, fundador da LIT-QI.

1989
Abril – greve com ocupação da Mannesmann, em Contagem, é dirigida pelo sindicato dos metalúrgicos e por militantes da CS

1992
A Convergência é expulsa do PT por se recusar a obedecer à proibição, imposta pela direção do partido, a todas as correntes internas de levantar a bandeira do “Fora Collor”.

O COMEÇO

1994
Junho – nos dias 5 e 7 realiza-se em São Paulo
o congresso de fundação do PSTU. Com 195 delegados e 73 convidados, foram debatidos e aprovados o programa e os estatutos do novo partido. Dias após a fundação, os militantes do PSTU
José Luis e Rosa Sundermann são assassinados brutalmente em sua residência, em São Carlos (SP).
Setembro – o PSTU recusa-se a assinar o programa da Frente Brasil Popular, um programa de crescimento econômico e distribuição de renda baseado em um amplo acordo entre governo, trabalhadores e empresários. O PSTU propõe rompimento com o FMI, estatização do sistema financeiro e não pagamento da dívida.
Outubro – o PSTU se apresenta pela primeira vez às eleições, com candidatos proporcionais. Lula perde no primeiro turno para FHC.

1995
Janeiro – inicia-se a campanha de legalização do PSTU. Brigadas de militantes percorrem 11 estados e filiam 12.742 pessoas.
Maio – durante 30 dias, 45 mil petroleiros enfrentam a intransigência do governo FHC, que se recusa a negociar. A greve enfrenta o Tribunal Superior do Trabalho e o Exército, que ocupa quatro refinarias para obrigar os petroleiros a voltar ao trabalho.
Junho – o PSTU dá entrada no registro legal. Conferência Internacional do PSTU aprova a adesão à LIT.

1996
Abril – no dia 17, 19 trabalhadores são executados pela PM no massacre de Eldorado dos Carajás (PA).
Maio – no dia 31 é publicado o Opinião Socialista, novo jornal do PSTU.

1997
Abril – marcha dos sem-terra a Brasília. O PSTU está lá apoiando a luta e repudiando o massacre de Eldorado.
Outubro – no dia 1°, o líder do “Fora Collor” e então deputado federal Lindberg Farias rompe com o PCdoB e entra no PSTU. Quatro anos depois, rompe para se eleger e se tornar um dos parlamentares mais à direita do PT.

1998
Janeiro – o partido realiza o 1º Encontro Nacional de Negros e Negras.
Abril – o PSTU lança Zé Maria, metalúrgico e da direção da CUT, para a Presidência.

1999
Fevereiro – conferência em Niterói (RJ), nos dia 20 e 21, aprova o lançamento da Juventude do PSTU.
Agosto – no dia 26, uma multidão de trabalhadores e jovens do Brasil realiza a Marcha dos Cem Mil e exige Fora FHC e FMI.

2000
Março – dirigentes do PSTU viajam para Quito, Equador, para acompanhar e levar a solidariedade do PSTU à insurreição dos indígenas-camponeses realizada nos dias 21 e 22 de janeiro.
Abril – no dia 21, indígenas, estudantes e trabalhadores protestam contra os 500 anos de colonização e de massacres. Várias pessoas ficam feridas na repressão comandada por FHC e muitas são presas, entre elas, Zé Maria, do PSTU.
Junho – no dia 23, é publicado o primeiro número da revista Marxismo Vivo.
Setembro – realizado o Plebiscito Nacional da Dívida Externa, entre os dias 2 e 7, organizado por pastorais da Igreja Católica, MST, partidos e sindicatos. Cinco milhões de pessoas disseram NÃO ao pagamento da dívida externa e da dívida interna e ao acordo com o FMI.
Outubro – no dia 6, Gildo Rocha, militante do PSTU e diretor do Sindicato dos Servidores do Distrito Federal, é assassinado com um tiro pelas costas pela polícia do governador Joaquim Roriz.

2001
Mobilização de massas derruba o governo De La Rúa na Argentina. O PSTU inicia uma campanha financeira para fortalecer o partido da LIT no país, a Frente Operária Socialista.

2002
Janeiro – o II Fórum Social Mundial reúne mais de 50 mil pessoas em Porto Alegre. O PSTU e a LIT-QI participam com manifestações em solidariedade à revolução argentina.
Maio – Atos em todo o país lançam as candidaturas de Zé Maria a presidente e de Dayse Oliveira a vice.
Outubro – 400 mil votam em Zé Maria, em um programa de ruptura e em uma alternativa revolucionária ao país. O PSTU, no segundo turno, chama o voto em Lula, mas alerta que, sem ruptura com o FMI e a Alca, não haverá mudança.
Dezembro – dez milhões votam contra a Alca no plebiscito organizado pelo MST, pastorais da Igreja e sindicatos entre os dias 1 e 7. Lula e o PT são contra. O PSTU foi o único partido que chamou o plebiscito em seu programa eleitoral na TV e no rádio.

2003
Janeiro – no III Fórum Social Mundial, o PSTU e vários partidos da LIT participam do ciclo de debates “Um Mundo Socialista é Possível” e marcam presença nos atos. A editora José Luis e Rosa Sundermann lança seu primeiro livro, uma edição do “Manifesto Comunista”.
Fevereiro – no dia 15, é realizado um ato internacional de luta contra a guerra do Iraque. Foi o maior protesto mundial da história.
Junho – começa a greve dos servidores contra a reforma da Previdência de Lula.
Agosto – marcha dos servidores em Brasília é realizada no dia 6, na votação da reforma da Previdência.
Outubro – uma revolução sacode a Bolívia após o anúncio da venda de gás e derruba o presidente do país.

2004
Março – encontro contra a reforma sindical e trabalhista reúne 1.800. Deste movimento surge a proposta da Conlutas.
Junho – no dia 1°, tropas da ONU lideradas pelo Brasil ocupam militarmente o Haiti. O PSTU inicia uma campanha contra a ocupação.

2005
Janeiro – o PSTU participa novamente do Fórum Social Mundial, onde denuncia o governo e aponta a construção de ferramentas de luta contra seus projetos neoliberais.
Abril – Lucio Gutiérrez, presidente do Equador, cai após uma onda de protestos populares.
Junho – explode o escândalo do mensalão. Roberto Jefferson, ex-deputado da base governista, revela esquema de desvio de propinas de estatais para campanhas eleitorais dos partidos aliados ao governo.
Agosto – no dia 17, o PSTU participa da marcha pelo “Fora todos”, realizada em Brasília. A manifestação é uma reposta ao mar de lama que inunda o país após os escândalos do mensalão. No dia seguinte, o PSTU joga suas forças na realização do II Encontro da Conlutas.

2006
Maio – nasce a Conlutas. Realizado nos dias 5, 6 e 7, os 3.232 participantes do Conat (Congresso Nacional da Classe Trabalhadora) aprovam a fundação oficial da entidade.
Junho – ato em União dos Palmares (BA) lança oficialmente a Frente de Esquerda (PSOL-PSTU-PCB), que tem Heloísa Helena como candidata a presidente. A criação da frente tenta expressar a reorganização em nível sindical e político, como uma alternativa aos dois grandes blocos burgueses de Lula e Alckmin.
Agosto – ofensiva militar de Israel contra o Líbano é derrotada pela resistência do Hizbollah. O PSTU denuncia a agressão sionista e participa de protestos com a comunidade árabe.

2007
Março – no dia 3, é realizado ato em homenagem a Nahuel Moreno, fundador da nossa corrente, cuja morte completa 20 anos. No dia 8, o partido realiza protestos contra a visita de Bush ao Brasil. No dia 25, é realizado o Encontro Nacional Contra as Reformas, que juntou milhares de ativistas.
Junho – no dia 26, uma caravana da Conlutas viaja ao Haiti para exigir a retirada das tropas brasileiras do país.
Outubro – o partido realiza uma campanha pelos 90 anos da Revolução Russa, na qual realiza palestras, atos, debates, seminários e cursos.

2008
Março – realizado durante o feriado da Páscoa o VI Congresso Nacional do PSTU.
Abril – PSTU participa do I Encontro Nacional de Mulheres da Conlutas.
Julho – realizado o II Congresso da Conlutas entre os dias 3 e 6, em Betim (MG).
Setembro – explode a crise financeira com a quebradeira de grandes bancos de investimentos dos EUA. O PSTU realiza campanha pelos 70 anos da IV Internacional, com palestras, atos, debates, seminários e vídeos.
Post author Da redação
Publication Date