A luta na Ufes começou

No dia 29 de julho, aconteceu a assembléia dos estudantes de história, que reuniu mais de 100 estudantes do curso (somando a assembléia da manhã e da noite) além de outros cursos, como Ciências Sociais e Letras, que trouxeram informes e complementaram o debate.

Os estudantes se mostravam indignados com a atual situação de sucateamento da Universidade com a aplicação da reforma Universitária de Lula e o FMI, que tem como principal objetivo a privatização da universidade publica colocando ela a serviço do capital. Ficou claro também a necessidade de unidade do movimento estudantil e com os setores em luta na universidade (funcionários e professores) além da ação direta como principal forma de luta para o movimento ser vitorioso (greve, ocupação, piquete e outras formas de radicalização do movimento). Foi aprovado a formação de um comitê de mobilização permanente (aberto a todos que queiram participar), um dia de paralisação (definido pelo comitê) e a busca de unificação dos movimentos estudantis em luta, como o de geografia, que já tem uma semana de mobilização de 02 a 06/08 e de letras.
Também foi definido tentar construir uma assembléia de estudantes da UFES (com todos os cursos) para construir uma greve estudantil forte, consciente e mobilizada. Agora e caminhar para greve – geral estudantil unificada, barrando a reforma Universitária do governo Lula/FMI.