37 anos de imprensa operária

Capa do primeiro Independência Operária

Cronologia de um jornal comprometido com o socialismo1974-1977
Independência Operária
Em 1973 um grupo de exilados brasileiros na Argentina funda o grupo Liga Operária. Em fevereiro de 1974, remetem a contatos no Brasil o primeiro número de sua publicação, o “Independência Operária”, um jornal artesanal, publicado em papel mimeografado.

O segundo número sai já em março e faz um chamado à luta contra a ditadura militar e a carestia. A partir daí segue um hiato de seis meses até o terceiro número do jornal. Agora, porém, a Liga Operária já está no Brasil e o jornal passa a ser publicado no país. Com recursos escassos, o Independência Operária é impresso a mimeógrafo a álcool, de forma clandestina. Reflete agora, porém, a luta de classes e a realidade política do Brasil de forma mais direta.

A partir daí a publicação seguiu o vertiginoso crescimento da própria corrente. Aos poucos, porém, o tamanho da Liga Operária começou a não comportar uma publicação nos moldes do Independência Operaria, num período de dura repressão.

  • 1977-1979
    Versus
    A redação do alternativo Versus abrigava vários jornalistas vindos do exílio, de diversas correntes. Aos poucos, os militantes da Liga Operária foram ganhando grande parte dos jornalistas, especialmente para sua principal política no período: a fundação de um Partido Socialista no Brasil.

    A campanha, lançado nas páginas de Versus em 1978, desembocaria no Movimento Convergência Socialista, nome que a Liga viria a utilizar pouco depois. Junto a isso, o alternativo, fundado como um jornal de cultura latino-americana, se volta às mobilizações operárias do período. É lançado então o Versus-Convergência Socialista, edição especial de Versus para o movimento operário.

  • 1979-1994
    Convergência Socialista
    Com a consolidação da Convergência Socialista e sua inserção no PT, a corrente, já com o novo nome, passa publicar em março de 1979 o seu jornal homônimo. Agora, o jornal já não é artesanal e expressa a importância política da corrente.

    O Convergência Socialista atravessou toda a década de 1980 trazendo em suas páginas as principais lutas da classe operária. Da luta contra a ditadura, pelas Diretas, a retomada dos sindicatos das mãos dos pelegos, passando pelas mobilizações contra a inflação e o arrocho.

  • 1994-1996
    Jornal do PSTU
    Com a expulsão da Convergência Socialista do PT e a fundação do PSTU em 1994, o partido passa a publicar o “Jornal do PSTU”, que dura de 1994 a 1996. O jornal foi fundamental para a consolidação do novo partido no país.

  • 1996
    Opinião Socialista
    Em 31 de maio de 1996 surge finalmente o “Opinião Socialista”. Embora bastante diferente do que ele é hoje. Quando lançado, o jornal tinha apenas duas cores e tamanho grande (tablóide germânico), mas preocupações como uma diagramação mais dinâmica e a utilização de gráficos já eram observadas. Em maio de 2004 o Opinião adquire um novo projeto gráfico, passando a um novo formato, com o tamanho que tem até hoje. Agora, porém, totalmente colorido.

    Em março de 2010 tem início o atual projeto gráfico do jornal, com uma diagramação mais leve. Agora com 16 páginas, o novo projeto retoma preocupações como a formação política com a série ‘O que é´.