RS: Não à criminalização dos ativistas do Bloco de Lutas!

2730

Em junho de 2013, as ruas de todo o Brasil foram tomadas por grandes protestos contra o aumento das passagens e por melhorias nos serviços públicos. Foi uma explosão de indignação contra os ataques dos governos que responderam com repressão e prisões.

Em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Matheus Gomes, Gilian Cidade, Lucas Maróstica, José Vicente Mertz, Rodrigo Brizolla e Alfeu Costa, ativistas do Bloco de Lutas e lideranças das manifestações na capital gaúcha, foram injustamente acusados pelo Ministério Público Estadual de liderar uma organização criminosa que praticaria depredações, agressões e furtos. Caso condenados podem ser presos.

Durante as investigações tiveram suas casas e privacidades invadidas arbitrariamente pela polícia que nada encontrou lá além de livros, panfletos e fichas de filiação partidária. Infiltraram policiais nas manifestações e em reuniões do movimento e todas as “provas” dos supostos crimes não passam de fotos retiradas das redes sociais.

Foi montada uma verdadeira farsa, que se apoia numa legislação proposta e aprovada pelo Governo Dilma (Lei das Associações Criminosas) e que segue sendo usada por Temer e pelos Governos Estaduais, com o objetivo de tentar intimidar a juventude e trabalhadores e impedir que novas manifestações tomem as ruas de nosso país.

Por isso é importante que o movimento social reaja a mais este ataque. Não podemos permitir que lideranças políticas sejam criminalizadas por organizar manifestações legítimas!

Na próxima terça-feira, dia 21 de fevereiro, ocorrerá a primeira audiência para serem ouvidas as testemunhas de acusação e, neste dia, será realizado um ato de solidariedade aos ativistas e pela sua absolvição, às 12h em frente ao Foro Criminal de Porto Alegre (Rua Márcio Veras Vidor, 10, Bairro Praia de Belas).

O PSTU se solidariza aos companheiros e convoca a todos a participarem da manifestação!