Metalúrgicos de São José dos Campos paralisam e trancam a Dutra

Metalúrgicos dizem não à retirada de direitos e exigem a saída Temer e de todos os corruptos

Metalúrgicos da TI Automotive e General Motors já iniciaram as atividades do Dia Nacional de Paralisações e Mobilizações, em São José dos Campos.

Hoje é dia de lutar contra as reformas da Previdência e Trabalhista, que acabarão com direitos históricos de toda a classe trabalhadora do país. Acompanhe por aqui as manifestações que acontecerão ao longo do dia.

Antes mesmo das 6h da manhã, já havia passeata dos trabalhadores da TI, na Rodovia Presidente Dutra, e da GM, na avenida marginal. Trabalhadores da Embraer também estão parados no início da Avenida dos Astronautas.

Trabalhadores da TI Automotive na Rodovia Presidente Dutra.

Começa a passeata de metalúrgicos da General Motors, na avenida marginal à Via Dutra.

Trabalhadores da TI seguem com a manifestação contra o governo Temer.

Continua manifestação dos trabalhadores da General Motors.

Às 6h40, trabalhadores da GM ocupam a Via Dutra. Os metalúrgicos dão o recado para o governo Temer e confirmam a tradição de luta por direitos. Dentro de instantes, começa a mobilização dos trabalhadores da Hitachi e Prolind, na zona leste de São José dos Campos.

 

Às 6h45, começa a manifestação na Avenida dos Astronautas, que dá acesso à Embraer.

Via Dutra parada, durante manifestação de trabalhadores da GM.

Às 7h15, começam as manifestações em frente à Hitachi.

Estamos mostrando para o governo que essa reforma não passa. Não iremos entregar direitos. Se a reforma é ruim, ela é ainda pior para as mulheres. Somos nós que temos os piores salários e empregos. Alem disso, temos a dupla e a tripla jornada. Por isso estamos na rua hoje, paralisando fábricas, pra dizer não a esse ataque“, disse Janaína dos Reis, membro do Movimento Mulheres em Luta, da CSP-Conlutas, durante protesto na Hitachi.

Às 7h50, começa a assembleia na Chery. Na manifestação, um chamado para luta em defesa dos direitos: “assim como os direitos que temos hoje foram conquistados com luta, é dessa mesma forma que vamos barrar as reformas de Temer“, afirmou o diretor do Sindicato Guirá Borba. Trabalhadores decidem parar por 24 horas.

Cerca de 500 trabalhadores da JC Hitachi e Prolind fizeram assembleia unificada. “A assembléia de hoje foi histórica. Pela primeira vez os trabalhadores da Hitachi e Prolind votaram juntos. E votaram contra as reformas da Previdência e trabalhista. A luta já é grande, com os metalúrgicos mostrando toda disposição para ir pra cima em defesa dos direitos“, disse o diretor do Sindicato Weller Pereira Gonçalves.

Trabalhadores da GM realizaram uma paralisação de três horas. Cerca de 3 mil metalúrgicos da montadora se mobilizaram contra as reformas de Temer. A manifestação terminou por volta das 8h20.