Trabalhadores do 2º turno da GM confirmam rejeição ao banco de horas e redução de direitos

Última assembléia será realizada às 23hOs trabalhadores do 2º turno da GM de São José dos Campos reforçaram a decisão dos metalúrgicos da manhã e, na assembléia realizada na tarde desta quinta-feira, dia 31, votaram contra a proposta da empresa de reduzir salários e direitos como condição para contratar 600 funcionários.

Nas duas assembléias já realizadas a participação dos trabalhadores foi massiva, com cerca de 4.000 do primeiro turno e cerca de 2.000 do segundo turno.

O Sindicato dos Metalúrgicos, que é filiado à Conlutas, realizará a última assembléia às 23 horas, quando serão consultados os trabalhadores do 3º turno.

A proposta de criação de banco de horas e redução de direitos já havia sido reprovada pelos metalúrgicos em assembléias realizadas nos últimos dias 22 e 23.

A expressiva votação mostra que os trabalhadores da GM não irão aceitar a chantagem da empresa, que quer aumentar seus lucros à custa de banco de horas e maior exploração.

“O Sindicato continua defendendo as 600 contratações em São José dos Campos, mas sem a redução de salários e flexibilização de direitos. Apresentamos alternativas para que a empresa faça as contratações sem estes ataques e, por isso, esperamos que a GM reveja sua posição”, disse o secretário-geral do Sindicato, Luiz Carlos Prates, o Mancha.

A decisão dos trabalhadores será comunicada à empresa depois da realização de todas as assembléias.