Trabalhadores da GM param a Dutra contra demissões

Ato na Dutra
Luciano Coca / SindmetalSJC

Em protesto contra a ameaça de demissões, os trabalhadores da General Motors, em São José dos Campos, ocuparam a rodovia Presidente Dutra, na tarde desta quarta-feira, dia 31. A rodovia ficou parada por cerca de 20 minutos nos dois sentidos da pista, na altura do km 143, próximo ao viaduto da Vista Verde.

Participaram da manifestação cerca de 3.500 trabalhadores. Após a desocupação da rodovia, os trabalhadores saíram em passeata por cerca três quilômetros até a portaria da GM.

Reunidos na portaria do setor do MVA, em assembléia, os metalúrgicos votaram que as mobilizações serão intensificadas e que na próxima sexta-feira, dia 2, durante a visita do presidente Lula à refinaria da Revap, será realizada uma manifestação.

“Vamos exigir do presidente e do governo federal que intervenham para evitar as demissões na GM e garantir o emprego dos trabalhadores“, informou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Adilson dos Santos, o Índio. A entrada do 2º turno foi atrasada em duas horas.

Passeata pela manhã
O 1º turno da GM também realizou manifestação nesta quarta-feira. Houve atraso de uma hora na entrada e os trabalhadores também fizeram uma passeata pelo mesmo percurso.

As manifestações fizeram parte de um dia de luta unificada contra as demissões nas montadoras, juntamente com os metalúrgicos da Volks, que também pararam durante esta quarta-feira.

A luta contra as demissões e a unificação com os companheiros da Volks foi uma decisão tomada pelos trabalhadores logo após o anúncio das 960 demissões no último dia 15 de maio pela GM.

“Não vamos aceitar os cortes anunciados pela GM. A solução é reduzir a jornada de trabalho, sem redução de salário“, afirma o secretário-geral do Sindicato, Luiz Carlos Prates, o Mancha.

O Sindicato dos Metalúrgicos é filiado à CONLUTAS (Coordenação Nacional de Lutas).