Servidores protestam em Brasília contra arrocho salarial e corrupção

Servidores protestam contra corrupção no Congresso Nacional
Walter Campanato / Ag. Brasil

Cerca de 8 mil servidores realizaram no final da manhã desta quarta-feira uma grande marcha em Brasília, contra o ‘reajuste’ de 0,1% e o mar de lama que toma conta de Brasília. A marcha unificada faz parte da semana nacional de protestos dos servidores públicos, que estão acampados na capital federal desde o início da semana, e reuniu mais de 30 entidades, como os sindicatos da CONDSEF e da FENASPS e o ANDES-SN.

O protesto teve início por volta das 11h, após uma concentração em frente à Catedral de Brasília. Os servidores seguiram em marcha pela Esplanada dos Ministérios, contornaram o Congresso Nacional e fizeram um ato em frente à sede do Ministério da Fazenda. No ato, os manifestantes denunciaram a rídicula proposta de reajuste do governo, cantando “Lula pisou na bola. 0,1 é esmola”.

`FotoNo ato, Luiz Carlos Prates, o ‘Mancha’, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, falou pela Conlutas, convocando os trabalhadores a irem às ruas e denunciando as direções governistas: “CUT e a UNE dizem que somos golpistas e defendem o governo. Mas não podemos defender um governo que nos dá 0,1% e está tomado pela corrupção”. ‘Mancha’ convocou todos a construirem uma campanha classista contra a corrupção e voltarem a Brasília no dia 17 de agosto, na marcha da Conlutas, contra a corrupção e as reformas. “Temos que lutar contra o governo e o Congresso, pois é lá que agem os capitalistas que estão por trás desta corrupção toda. Eles não querem o golpe, pois Lula vai continuar fazendo o que eles querem”, concluiu ‘Mancha’. Paulo Barela, servidor do IBGE, falou em nome do PSTU no ato, denunciando o caráter limitado da CPI, exigindo a prisão de corruptos e corruptores e propondo a unificação das lutas.

`FotoApós o ato, os servidores seguiram em passeata, para lavar o prédio do Congresso Nacional. Diante de um princípio de tumulto com a polícia, que queria impedir o acesso ao prédio, os servidores cantaram, apontando para o Congresso: “Pra que polícia aqui, se os ladrões estão aí?”. Com vassouras e baldes, os manifestantes começaram a limpeza, denunciando o governo: “Ô Lula, que papelão. Você pagou o mensalão, e o servidor ficou na mão”.

O ato em frente ao Congresso terminou no início da tarde e, por volta das 15h30, uma segunda passeata percorreu a Esplanada, com os servidores da base da CONDSEF e da FENASPS. Um novo protesto será realizado nesta quinta-feira, 23, em frente ao Ministério do Planejamento.

LEIA MAIS:
Ampliar a greve do funcionalismo federal