Secretaria de Negros e Negras do PSTU lança nova revista

Capa da segunda edição da revista Raça e Classe

A segunda edição da revista Raça e Classe já está à venda. Você pode adquiri-la com qualquer militante do PSTU. Leia abaixo a apresentação da revistaApresentamos a segunda edição da revista Raça e Classe. Com ela queremos fazer que nossos leitores, militantes sociais, sindicais e da juventude, reflitam e aprofundem os estudos sobre o papel estratégico da questão racial e do marxismo nas lutas da classe trabalhadora.

A revista Raça e Classe foi elaborada pelos militantes da Secretaria Nacional de Negros do PSTU. Nosso objetivo é fazer que sonhemos juntos essa realidade nas lutas cotidianas nas lutas sindicais e populares. Queremos mostrar que é possível germinar idéias que fortaleçam a concepção de raça e classe contra os patrões e os governos de plantão, na ruptura com a sociedade de classes capitalista que explora e oprime homens e mulheres.

Nesse sentido, apresentamos também um artigo de James Patrick Cannon, um importante trotskista norte-americano e fundador do Partido Socialista dos Trabalhadores (SWP, na sigla em inglês). Cannon escreveu sobre como as experiências da Revolução Russa influenciaram o movimento negro dos Estados Unidos. O artigo é produto de debates entre militantes do SWP com Leon Trotsky, dirigente da Revolução Russa de 1917 e da Quarta Internacional. Suas consequências práticas e teóricas estiveram presentes no levante dos negros e negras dos EUA na década de 1960, que mudaram o curso do combate ao racismo nos EUA e também aqui no Brasil.

Hoje através das lutas diretas podemos atualizar o programa revolucionário, fortalecendo a teoria e uma práxis que avance no sentido de organização de base de toda a classe trabalhadora negra e branca. A presente revista inclui o povo negro nesta construção revolucionária do mundo.

Aqui no Brasil, país que mais recebeu africanos transformados em escravos, juntamente com os povos originários indígenas, a luta negra tem um significado especial. Nosso país é a segunda nação com maior população negra do mundo. Os negros e negras compõe a maioria da classe operária e camponesa do país, e devem se libertar por meio de sua luta da ideologia racista do capital, que divide nossa classe para auxiliar os patrões a explorem os trabalhadores. É possível lutar e criar uma consciência de raça e classe, que unifique os trabalhadores para lutar pelo socialismo. Devemos também denunciar a violência contra as mulheres e o extermínio de nossos jovens negros e negros nas periferias das grandes cidades.

Nessa edição também apresentamos artigos referentes à luta do povo haitiano contra a ocupação militar da ONU, liderada pelo Brasil; um artigo sobre a violência do tráfico e da polícia no Rio de Janeiro; artigos referentes a educação e a questão racial na sala de aula e um artigo sobre os 100 anos da Revolta da Chibata.

Hoje assistimos os novos rumos na conjuntura mundial, marcada pela revolução egípcia, mas também pela crise econômica mundial.

Para salvar o capitalismo, os governos capitalistas tentam aprofundar os planos neoliberais, provocando a retiradas de direitos, demissões e miséria. Essa política vai, inexoravelmente, levar ao aumento do racismo, machismo, homofobia e da xenofobia para todos os trabalhadores. Esperamos que a revista Raça e Classe possa preparar os trabalhadores, negros e negras em especial, para enfrentar os desafios que virão.