PSTU-DF protesta contra o aumento das passagens

NOTA DO PSTU DF CONTRA O AUMENTO DAS PASSAGENS!

Nesse final de ano, os trabalhadores e trabalhadoras do DF acompanham, pelos noticiários, o circo armado pelos donos das empresas de ônibus do Distrito Federal que, mais uma vez em 2010, reclamam do preço da passagem e pleiteiam o aumento da tarifa, que já é uma das mais caras do país. A alegação dos empresários é sempre a mesma: o sistema de transporte no DF é deficitário. Uma mentira que foi desmascarada recentemente até pelo próprio governo de Rogério Rosso, que baseado em dados fornecidos pelas empresas de transporte (de confiabilidade muito duvidosa) demonstrou que o sistema gera lucros para as empresas.

A proposta dos empresários é de elevar as tarifas de R$2 e R$2,50 para R$ 3, as de R$3 para R$4 e as de R$1,50 para R$1,80. Ou seja, um aumento médio de 30,75% no preço da passagem. Não bastasse o fato de que a superlotação, os atrasos, a carência de linhas e as quebras de veículos são a rotina do transporte público no DF, o preço da tarifa corre o risco de aumentar, somente para permitir aos empresários elevar seu faturamento mensal em 40%, saltando de 50 milhões para 70 milhões mensais.

Nós do PSTU somos absolutamente contrários a qualquer aumento de passagem, tendo em vista que para a maioria da população, que depende dos ônibus, essa medida significa na prática a diminuição de sua renda e de seu poder de compra. Não aceitamos que a população do DF sacrifique os seus baixos salários para elevar, ainda mais, os lucros e privilégios de empresas que, há anos, usufruem ilegalmente do monopólio do sistema de transporte público para gerar lucros milionários.

Defendemos que o transporte público seja um instrumento de acesso dos trabalhadores ao emprego, à cultura, ao lazer, à educação e à saúde. E, para que o sistema de transporte possa realmente cumprir esse papel, ele deve ser 100% estatal e estar sobre controle dos trabalhadores e da população. Enquanto o sistema de transporte for apenas mais um meio para enriquecer um punhado de burgueses, nós continuaremos a sofrer com os ônibus velhos e lotados, a carência de linhas, as quebras de veículos, os constantes atrasos e as passagens abusivamente caras.

Exigimos do governador Rogério Rosso e, principalmente, do governador eleito Agnelo Queirós que se pronunciem sobre o assunto e impeçam, imediatamente, qualquer aumento na tarifa de transporte. Exigimos também que, diante das ameaças dos empresários de cortar os pagamentos dos rodoviários e impedir a circulação dos ônibus, qualquer empresa que boicote a circulação dos ônibus ou não pague os rodoviários seja imediatamente estatizada. Não se pode mais deixar que esses empresários controlem o sistema de transporte público no DF, é preciso revitalizar a TCB, fazendo com que, paulatinamente, ela assuma todas linhas de ônibus do Distrito Federal.

Brasília, 17 de novembro de 2010