Prefeitura do Rio de Janeiro aproveita ressaca do réveillon e aumenta passagens

Todo início de ano, já sabemos que vamos sofrer para pagar o IPTU, IPVA, a matrícula da escola dos filhos, o material escolar etc. Ao sair de casa na primeira segunda-feira do ano, os trabalhadores da cidade do Rio de Janeiro e da região metropolitana foram surpreendidos com o aumento de 10% nas tarifas de ônibus do município (que foram de R$ 2,50 para R$ 2,75) e de 6,64%, em média, nos ônibus intermunicipais. Este aumento foi bem superior à inflação de 6,3% anunciada pelo governo no ano passado.

Ao longo de 2011, assistimos e participamos de centenas de greves e manifestações de trabalhadores exigindo melhores salários. Houve a luta dos bombeiros, dos professores da rede estadual, das redes municipais de Duque de Caxias e Niterói entre outras. Os governantes e patrões responderam com truculência oferecendo, no máximo, repor a inflação. Mas na hora de agradar os donos de empresas de ônibus, esses reajustes são bem maiores que qualquer aumento salarial.

O sistema público de transporte está completamente entregue a grandes grupos privados que só querem o lucro e prestam péssimos serviços. O metrô e os trens do Rio estão sempre lotados e com problemas na operação. Nos trens, já vimos, além de composições paradas e usuários tendo que caminhar pelos trilhos, seguranças espancando passageiros na porta do vagão.

Esses reajustes de tarifas de transportes não são únicos. No final do ano passado a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou o aumento da tarifa das Barcas, aquelas que ficam à deriva na baía de Guanabara, logo após o acidente que feriu várias pessoas.

Isso ocorre porque políticos têm suas campanhas eleitorais bancadas por empresários inescrupulosos que sempre querem se dar bem. Após a eleição, cobram a fatura. Os governantes, então, aumentam o preço dos serviços, favorecendo aqueles que sempre sustentam suas candidaturas. Isso é imoral e é corrupção por mais que para alguns não pareça.

O PSTU no Rio de Janeiro é contra qualquer aumento de tarifas. Defendemos a reestatização de todo o sistema de transporte público, o aumento de salário e melhoria das condições de trabalho dos trabalhadores do transporte, passe livre para idosos, deficientes, desempregados, estudantes e acompanhante de estudantes até quinta série que ainda não vão à escola sozinhos.

Chamamos a população do Rio a seguir o exemplo de Teresina, que em agosto de 2011, organizou grandes atos contra aumentos de passagens e agora, em 2012, volta às ruas. Só lutando garantiremos nossos direitos.

Atualizada em 4/1/2012, às 13h42