Petroleiros de todo o país cruzam os braços

Paralisação do Sindipetro AL/SE

Confira o quadro da greve nacional contra o Leilão de Libra

Seguindo o indicativo nacional de rejeição da proposta da companhia e deflagração de greve nesta quinta-feira, 17 de outubro, petroleiros de todo o país estão de braços cruzados em uma greve nacional e unificada (com possibilidade de se estender por tempo indeterminado) que já se desenha, pelos primeiros informes, histórica. Somada à mobilização da categoria, atos e mobilizações nas principais capitais e cidades do país serão realizadas ao longo do dia.

Com isso, este 17 de outubro transforma-se em um grande Dia Nacional de Luta Contra o Leilão de Libra. A greve da categoria tem três eixos: barrar o leilão de Libra, agendado pelo Governo Dilma para 21 de outubro; derrotar o PL 4330, que legaliza as terceirizações em atividades fins; e arrancar da Petrobrás uma proposta que contemple a reivindicação dos trabalhadores. Ou seja, 16,53% de aumento no salário base, sendo 10% de ganho real e 6,53 de reajuste pelo ICV-DIEESE, além de revisão do PCAC, fim da tabela congelada, AMS para os pais e 100% custeada pela companhia, dentre outros benefícios.

A empresa propõe no salário base reajuste de 6,09% (IPCA), 7,68% na RMNR e um abono equivalente a uma remuneração ou R$ 4 mil, o que for maior. Esta gratificação é quase 50% inferior à de 2012, fechada em R$ 7.200. Fora isso, nas demais cláusulas praticamente tenta renovar o atual ACT, oferecendo como “avanços” pequenas concessões que visam apenas enganar e enrolar a categoria e até mesmo ataques, como o regramento de PLR e alteração em regimes de trabalho.

Raixo-x da Greve nas bases da FNP
Em Alagoas e Sergipe, o Sindipetro começou as mobilizações antes mesmo do Dia Nacional de Luta Contra o Leilão. No dia 16, FAFEN e Tecarmo já eram alvo de mobilizações. As operações no campo terrestre de Carmópolis pararam com praticamente 100% de adesão. Na desparafinação, onde fica a Estação de Bom Sucesso, não houve rendição de turno e nenhum trabalhador entrou pra trabalhar. Na estação de Jericó também não houve a rendição de turno. A base administrativa de Carmópolis também parou e nas áreas isoladas, como no campo de produção em Jordão, quase todos os trabalhadores aderiram à greve.

Na FAFEN não teve rendição de turno e a paralisação iniciou por volta das 19h de ontem (16/10). Na Houve rendição de turno de 0 hora e pela manhã, às 7 horas. O quadro operacional que se mantém é uma parte que entrou dia 16 pela manhã e os que entraram às 15h. Todo o pessoal terceirizado e o pessoal próprio aderiram à greve.

Na Transpetro e complexo de Atalaia a greve teve inicio a partir das 4 horas da madrugada com paralisação parcial. Já na Sede da rua Acre a greve é de 80%, com a solidariedade e participação de diversas entidades como CSP-Conlutas e ANEL. O ato central da greve foi iniciado às 6h30 com a presença de entidades como CGTB, CUT, FUP, ASPENE, MST, MML, PSTU e PL.

Na REVAP, base do Sindipetro-SJC, os trabalhadores também deflagraram greve de 24h. A paralisação foi aprovada por 84% da categoria e conta com adesão de 100% do efetivo da refinaria. Estima-se mais de 4 mil operários de braços cruzados em uma mobilização que conta com a solidariedade e apoio efetivo de outras entidades classistas da região do Vale, como os sindicatos dos Correios e dos Metalúrgicos.

Também está de braços cruzados durante todo o dia os trabalhadores da base do Sindipetro PA/AM/MA/AP. Lá, estão em greve, em Manaus (AM), os trabalhadores de Urucu e da Sede Manaus. Na Transpetro Belém (PA) e no prédio Alcindo Cacela a categoria também entrou em greve. Ao longo do dia, será avaliado o cenário nacional para definir se haverá a continuidade do movimento. Às 16h, um ato será realizado pelos diversos movimentos sociais e sindicais na Praça Operário, que depois seguirá até o prédio administrativo da Petrobrás. Os trabalhadores da Transpetro São Luis (MA) também aderiram à greve.

Na Refinaria Presidente Bernardes de Cubatão, base do Sindipetro-LP, os trabalhadores de turno iniciaram pela manhã atrasos de 3h, com corte na emissão de PT (Permissão de Trabalho). A adesão é de 100% do turno e o movimento de atraso seguirá por tempo indeterminado até uma nova proposta da companhia.

O mesmo acontece na UTGCA, em Caraguatatuba, onde o atraso envolveu 100% do turno e 90% do ADM. Os trabalhadores terceirizados também integraram a paralisação, que começou às 7h, por aproximadamente duas horas. No terminal Pilões, em Cubatão, houve atraso de aproximadamente uma hora na entrada do ADM. Na plataforma de Mexilhão, na Bacia de Santos, durante 24h não haverá emissão, planejamento e requisição de PT. A partir de amanhã, 18 de outubro, serão iniciados atrasos de 3h na emissão das PTs.

No Rio de Janeiro, os trabalhadores do TABG também estão em greve. O corte de rendição foi iniciado às 7h, mas o ADM também integrou a paralisação. No Cenpes, houve atraso de 1 hora no turno RBG e TIC e amanhã será realizada assembleia na entrada. Nos prédios administrativos estão sendo realizadas concentrações e, em algumas unidades, trancaços e atrasos (é o caso do Edise, Ventura e Senado). No Edise, os movimentos sociais acampados em frente ao edifício fizeram um protesto, que será repetido ao meio-dia por pescadores afetados pela atividade petrolífera na Bacia de Guanabara.

Às 17h, na Cinelândia, será realizado um grande ato articulado em conjunto por diversas organizações que constroem a campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso. A passeata no centro do Rio de Janeiro partirá em direção à Cinelândia.

Bases da FUP – Na Bacia de Campos, o Sindicato informa que a greve teve adesão de pelo menos 39 plataformas, que foram entregues pelos trabalhadores às equipes de contingência que a Petrobras embarcou. Destas, 15 unidades foram entregues com a produção de petróleo parada. Durante a manhã, foi realizado trancaço na sede da UO-Rio, em Macaé. no Terminal de Cabiúnas houve corte de rendição à zero hora.
Ninguém entrou na Reduc, em Duque de Caxias, Terminal de Campos Elíseos e na Termorio. Agora pela manhã, o sindicato realiza uma grande mobilização na Rodovia Washignton Luiz, que está fechada no sentido Petrópolis.

Nos campos de produção terrestre da Bahia, os petroleiros anteciparam a paralisação para as 20 horas nas estações de Candeias, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passe, Socorro, Marapé e Dom João.

Estão parados os trabalhadores das refinarias de Duque de Caxias (Reduc/RJ), Manaus (Reman/AM), Paulínia (Replan/SP), Mauá (Recap/SP), Mataripe (Rlam/BA), Gabriel Passos (Regap/MG), Paraná (Repar), Alberto Pasqualine (Refap/RS), Abreu e Lima (PE), além da SIX (unidade de Xisto/PR), da FAFEN (fábrica de fertilizantes/BA), Termorio (Duque de Caxias), usinas de Biodiesel e termoeletricas.

A greve também segue forte, segundo nota dos sindicatos e da outra federação, nos campos terrestres de produção de petróleo na Bahia, Espírito Santo e Rio Grande do Norte. Na Transpetro, a greve atinge os terminais de Solimões (AM), Suape (PE), Madre de Deus (BA), Campos Elíseos (Duque de Caxias/RJ), Cabiúnas (Macaé/RJ), Guararema (SP), São Caetano (SP), Barueri (SP), Brasília, São Francisco do Sul (SC), Itajaí (SC), Guaramirim (SC), Biguaçu (SC), Paranaguá (PR), Osório (RS), Canoas (RS) e Rio Grande (RS).