Passe-livre reacende movimento secundarista de Juazeiro do Norte

A luta pelo passe livre estudantil em Juazeiro do Norte, reativou um setor estudantil que a muito tempo estava distante do movimento, os secundaristas. Na cidade todos debatem sobre o tema. A proposta que foi apresentada pelo vereador do PSTU, Fábio José Queiroz, gerou um grande intusiasmo estudantil e claro a ira do empresariado que procurou intimidar o parlamentar socialista de todas as maneiras, até mesmo o ameaçando fisicamente. Em Juazeiro esta luta que começou, em agosto de 2003, através de debates nos colégios, de duas audiências públicas com presença marcante de alunos, com a idéia de construir o projeto e com atividaes de rua com pouca participação popular, possui hoje grande apoio da população e consegui em seus atos parar escolas em defesa do passe livre estiudantil.

A medida que o movimento cresceu também teve sua radicalização, estudantes lotaram a Câmara municipal todas a sessões em que deveria ser a votação do proposta, o parlamento burguês, manobrou para que não houvesse a votação por quatro vezes, até vereador fujão teve. A indignção estudantil aumentava a todo momento. Neste período a contra ofensiva do empresariado e da prefeitura do PFL foi forte, causando do dia pra noite o aumento da passagem de ônibus na cidade em 29%, passando de 0,70 para 0,90, com intenção de desmobilizar o movimento pelo passe livre e que a estudantada perdesse o apoio da população. O aumento, que ocorreu na terça dia 20/04, provocou a revolta de imediata da população, causando uma irápida resposta estudantil, que mesmo com o feriado do dia 21/04, conseguiu mobilizar para a maior passeata da categoria nos úaltimos anos, que ocorreu na manhã da sexta 23/04. Passeata que encerrou em frente a prefeitura, onde uma comissão tentou falar com o prefeito que mandou dizer que não estava. O protesto conseguiu mostrar sua força de mobilização mesmo com pouco tempo, estudantes gritavam palavra de ordem como: `se passe livre eu não ganhar catraca eu vou pular` e ` o meu dinheiro não é capim passe livre sim`, sendo saudado por toda população nas ruas.

Depois de muitas manobras, na terça 20/04, a proposta do passe livre foi a votação. Antes porém, estudantes pararam o trânsito, em frente a Câmara, com um apitaço, por 20 minutos. Com a legistativo lotado de estudantes os vereadores começaram o debate sobre o tema. A pressão estudantil provocou cautela na falação de alguns vereadores, a votação apresentou umas surpresas, dos 15 votos – 11 foram a favor do passe livre e 4 contra. A matéria só não passou por se tratar de uma mudança da lei orgânica do município e por isso precisar de dois terços do número de vereadores que possui o legistativo, que têm 21 parlamentares. Pela primeira vez o grupo do prefeito ficou rachado, a pressão estudantil causou uma grande divisão. Para se ter idéia PL,PSDB,PTB, PPS e alguns vereadores do PFL votaram a favor do passe livre. Desde o início do movimento, o vereador do PT (da Articulação) e o do PHS têm demonstrado apoio ao projeto, estas estranhezas demonstram o quanto o movimento está forte exigindo uma postura de cada vereador, ou com estudante ou com empresário.

Depois da sessão estudantes não permitiram a saída,dos vereadores da Câmara trancando de cadeado a porta principal, os parlamentares ficaram enlouquecidos, o presidante da casa chegou a partir pra cima de um militante do PSTU, mas logo recuou, pois todos estudantes demonstraram que não iria sair dali tão cedo, a guarda municipal também recupou já que no enfrentamento levou a pior.A estudantada decidiu arrombar a porta e sair para uma assembléia onde fopi deliberada os próximos passos do movimento, como a realização de um encontro municipal estudantil.

Durante duas semanas o passe livre se tornou o principal tema nas escolas, nos programas de rádio e nas praças. O movimento que saiu vitorioso apesar da votação da câmara tem demonstrado que vai dar continuidade. Por isso correntes que nacionalmente são contra esta proposta vem defendendo o passe-livre. A UJS/ PCdoB, que tinha posicionamento contrário quando o movimento não estava tão forte, vem participando das atividades, evidente por ser ano eleitoral. A Articulação, que tem como candidato a prefeito um atual vereador, esta encampando também esta luta. O PSTU, que desde o início está na luta pelo passe-livre, está, não só nas atividades, mas de sala em sala mobilizando para a rua. O parlamentar, Fábio José, e a juventude do PSTU, está participando de debates no colégio. O material do movimento, também está sendo darantido pelo mandato socialista, que vem apoiando financeiramente e politicamente o passe livre estudantil. Esta luta não só é vitoriosa por denunciar o parlamento burguês mas também por ter reacendido o movimento secundarista em nossa cidade.