Organizações pedem fim da ocupação militar no Haiti


O conselho de Segurança da ONU acabou de renovar por mais um ano a ocupação militar que há 10 anos mantém no Haiti. Leia abaixo a carta assinada por inúmeras personalidades e organizações pelo mundo, dentre elas o PSTU, exigindo o fim da ocupação

Carta de rechaço à renovação do mandato da Minustah            

América latina e Caribe, Outubro de 2014
 

Ao Secretário General da ONU, Sr. Ban Ki-moon

Aos Estados integrantes do Conselho de Segurança da ONU

Aos Estados integrantes do Grupo de Países de Apoio ao Haiti

Aos governos e parlamentos dos países com tropas militares ocupando Haiti

Às instituições de integração latino-americana e caribenha

Aos povos do mundo

No próximo dia 15 de outubro de 2014, termina o mandato anual da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH), estabelecida em 2004 após a deposição ilegal de um presidente democraticamente eleito. No dia anterior, 14 de outubro, o Conselho de Segurança da ONU decidirá se renova mais uma vez a permanência desta força de ocupação, que inicialmente estava prevista para durar apenas seis meses, mas que se prolonga até o hoje. 10 anos de ocupação: BASTA! Em toda América Latina, Caribe e outras partes do mundo, movimentos populares, organizações e entidades da sociedade civil, sindicatos, parlamentares e personalidades políticas progressistas se solidarizam com a resistência do povo haitiano e exigem à ONU e aos governos que enviam soldados a retirada imediata das tropas estrangeiras que ocupam o país caribenho e o fim da MINUSTAH.

Esta não é a primeira intervenção das potências estrangeiras no Haiti, que foi colonizado pela França até 1804 e invadido pelos Estados Unidos entre 1915 e 1934. A ONU também interveio no país com duas missões de suas “forças de paz”, em 1991 e 1994, antes da ocupação atual, cujos objetivos declarados – estabilização e promoção de direitos humanos – não foram alcançados. Hoje, uma década após a chegada da MINUSTAH, o Haiti tem uma sociedade que de maneira alguma está “estabilizada”. Enfrenta uma crise sistêmica que piorou com a ocupação, com uma deterioração grave da vida institucional e crescente violência, decorrente, dentre outros fatores, do aumento do tráfico de drogas em direção ao mercado norte-americano. Por outro lado, em vez de defender os direitos humanos, os soldados da MINUSTAH se converteram em violadores: estupros, repressão de manifestações, abuso de autoridade, interferência no processo eleitoral, dentre outros atos inaceitáveis amplamente documentados.

Outro dos efeitos adversos mais graves desta ocupação militar foi a introdução da bactéria causadora do cólera pelas forças da ONU em 2010, gerando uma epidemia que, até o momento, custou a vida de nove mil haitianos e deixou um rastro de 730 mil infectados pelo país. Em 2014 se prevê que mais 45 mil pessoas sejam infectadas e incontáveis mortes mais aconteçam, ao passo que os investimentos feitos para erradicar a epidemia e cumprir com o direito humano à água potável são totalmente insuficientes. O orçamento da MINUSTAH para 2014 é de U$ 600 milhões, porém se projetam apenas U$ 121 milhões para a luta contra o cólera – sem nenhuma certeza acerca de sua eventual entrega-, dado que revela as prioridades pouco humanitárias da comunidade internacional.

Até o momento, nem a ONU nem os países participantes da MINUSTAH tem reconhecido sua responsabilidade nesta crise social provocada pela epidemia, mesmo diante das petições explícitas feitas pelo Especialista Independente da ONU sobre Direitos Humanos e Haiti, dentre outras. Por isso, um grupo de advogados que representa as famílias das vítimas apresentou uma demanda no tribunal federal de Nova Iorque, exigindo a indenização das vítimas e suas comunidades e reparações aos danos cometidos contra o país. Em 23 de outubro, os haitianos se apresentarão em uma audiência no tribunal de Manhattan e espera-se que a justiça norte-americana não aceite a invocação da imunidade diplomática, argumentada pela ONU para manter sua impunidade diante da piora da crise humanitária no Haiti.

As forças de “estabilização” reprimem os sindicatos e movimentos sociais locais que lutam por melhores salários e condições de vida para os/as trabalhadores/as haitianos/as, ajudando as empresas transnacionais a seguir explorando a mão-de-obra barata haitiana. A tomada de terras, riquezas naturais e dos recursos estratégicos da economia por parte dessas empresas também tem sido diretamente favorecidas pela presença da MINUSTAH. Nos meses de agosto e setembro de 2014, uma nova onda de repressão da MINUSTAH às manifestações populares aconteceu em Porto Príncipe, quando mulheres que tiveram filhos com soldados da ONU protestavam pelos militares que se foram do país sem deixar um endereço postal ou assistência financeira aos filhos que tiveram durante seu período de serviço no Haiti.

Nas vésperas do centenário da primeira invasão norte-americana do Haiti, repudiamos o fato de que governos e parlamentares de nossos países aceitem participar na terceirização desta nova ocupação e do processo de recolonização em marcha, ignorando a vontade do povo desse país e os pedidos feitos pelo Senado haitiano.  Por tudo isso, exigimos a retirada imediata das tropas de ocupação militar da sociedade haitiana e o fim da tutela internacional sobre o Haiti. Reivindicamos, sobretudo aos governos da América Latina (responsáveis pela maior parte do contingente da MINUSTAH) e do Caribe o apoio para a geração de uma verdadeira força de solidariedade entre nossa região e o povo do Haiti.

Desde 2005, movimentos sociais e organizações populares de nossa região e do mundo promovem visitas e ações de solidariedade, atos e campanhas pela liberação do povo haitiano desta forma atual de dominação. Hoje, ao completar-se dez anos do novo ciclo de intervenções militares e econômicas, exigimos o reconhecimento do fracasso da missão da ONU, seu término e a reparação dos crimes cometidos. Haiti precisa que a comunidade internacional escute seu povo e apoie suas propostas para a defesa de seus direitos e para a reconstrução de seu país. Precisa de solidariedade para a saúde, soberania alimentar, água, educação, moradia – mas não de tropas estrangeiras. Haiti precisa, sobretudo, de liberdade e independência para que suas forças populares construam a democracia haitiana e distribuam a riqueza de seu país.

Todo apoio aos movimentos sociais haitianos!

Basta de ocupação militar da vida!

MINUSTAH fora do Haiti!

LEIA AINDA:  Dez anos de ocupação militar a serviço do Imperialismo

Assinaturas

Jubileo Sur / Américas (JS/A)

Acción por la Biodiversidad

Amigos de la Tierra en América Latina y el Caribe

Articulación de los Movimientos sociales hacia el ALBA

Comité por la Abolición de la Deuda del Tercer Mundo – Cadtm-AYNA

Encuentro Sindical Nuestra América ESNA

Federación Sindical Mundial (FSM) en América Latina y El Caribe

Grito dos Excluidos Continental

Jubilee South-Asia/Pacific Movement on Debt and Development

Movimiento Mesoamericano contra el Modelo extractivo Minero – M4-

Periódico Resumen Latinoamericano

Red latina sin fronteras

REDPAZ

School of the Americas Watch

Servicio Internacional Cristiano de Solidaridad con América Latina – SICSAL

Sociedad Latinoamericana de Economía Política y Pensamiento Crítico (SEPLA)

ARGENTINA

Adolfo Pérez Esquivel, Premio Nobel de la Paz

Alcira Argumedo, Diputada Nacional, Proyecto Sur

Aldo M. Etchegoyen, Obispo (em.) Iglesia Evangélica Metodista Argentina

Alejandro Cabrera Britos, delegado general ATE SENASA MARTÍNEZ

Alfredo Grande (Argentina)

Amabe Amalia Molinari, licenciada en Gestión Cultural

Antonio Riestra, Diputado Nacional, Unidad Popular

Asociación de Trabajadores del Estado ATE Nacional

ATTAC – Argentina

Aurora Tumanischwili Penelón, Guillermo López, FeTERA FLORES (Federación de trabajadores de la energía eléctrica de la República Argentina en CTA).

Beverly Keene, Coordinadora, Diálogo 2000-Jubileo Sur Argentina

Carina Maloberti, Consejo Directivo Nacional – ATE-CTA

Carlos A. Vicente – Acción por la Biodiversidad

Carlos Guanciarrosa, Agrupación Enrique Moscón, FeTERA

Carlos Loza, AGP, junta interna  Asociación General de Puertos

Central de Trabajadores de la Argentina CTA – Capital

Centro de Estudios para el Cambio Social CECS

Centro de Militares por la Democracia Argentina CEMIDA

Claudia Hasanbegovic, abogada y docente UNLZ, UNSAM,

Claudio Giorno, Emancipación Sur

Claudio Katz Profesor, Economista, Investigador UBA-CONICET

Claudio Lozano, Diputado Nacional, Unidad Popular

Cnl  (R)  José  Luis  García, CEMIDA

Comisión de Políticas de Género de Carta Abierta

Comité argentino de solidaridad por el retiro de las tropas de Haití

Convocatoria por la liberación Nacional y Social, Frente Sindical: Agrupación Martín Fierro (Varela, Mar del Plata y Neuquén); Agrupación político sindical Tolo Arce; Centro Cultural “Alejandro Olmos”; Convocatoria Alte. Brown; Convocatoria Matanza; Convocatoria Capital Federal; Convocatoria Comunidad campesina Tartagal-Salta; Biblioteca Popular Fernando Jara, Cipoletti, Río Negro

Corriente Nacional Emancipación Sur

Daniel Faustino Ballester,   Entre Ríos, Concepción del Uruguay.-

Darío Balvidares, Docente, Comunicador.

Dario Mejias, Profesor de economía política -Universidad Nacional del Litoral-Santa Fe

Diálogo 2000 – Jubileo Sur Argentina

Eduardo Espinosa, ATE, Ministerio de Desarrollo Humano Pvcia. Bs.As.

Eduardo Grüner, Fac. de Filosofía y Letras / Fac. de Ciencias Sociales (UBA)

Eduardo Lucita

Enrique Elorza, profesor titular, Universidad Nacional de San Luis,

Equipo de Educación Popular Pañuelos en Rebeldía

Frente Popular Darío Santillán

Frente Popular Darío Santillán- Corriente Nacional

Gervasio Espinosa, rioplatense, 72 años

Graciela Rosenblum, Co-presidenta Liga Argentina por los Derechos del Hombre LADH

Gustavo Robles. PCT- Argentina

Gustavo Vera, Legislador de la Ciudad de Buenos Aires (Bloque Bien Común)

Héctor Carrica, Derechos Humanos de la Asociación de Trabajadores del Estado (ATE) Nacional.

Herman Schiller, periodista y conductor de “Leña al fuego” y “Aguantando de pie”

Joaquín Pérez

Jorge Cardelli, Diputado Nacional (MC), Emancipación Sur

Julio C. Gambina, Presidente FISYP

Leandro Bona (Lic Economía UNLP)

Lilian Videla, San Luis

Liliana Martin, Córdoba

Lita Stantic

Luciano Andrés Valencia, Escritor e historiador, Cipolletti, Rio Negro

Luis E. Sabini Fernández, docente y periodista, uruguayo residente en Argentina

Manuel Justo Gaggero –abogado, militante de  Unidad Popular

María Leonor (Nora) Moyano. Docente Jubilada UNCUYO, Mendoza

María Rosa González, comunicadora social

Mariano Féliz, Dr. en Economía. Profesor UNLP. Investigador CONICET.

Mario Hernandez (Miembro de la Comisión Directiva de la Coordinadora de Medios de la CABA-COMECI)

Mario Mazzitelli, Secretario General PSA

Marta Speroni, militante internacionalista por los DDHH.

Mirta Baravalle, Madre de Plaza de Mayo – Línea Fundadora

Monica Scandizzo  delegada junta interna ate -indec , secrtaria de ddhh

Movimiento Popular Patria Grande

Movimiento por la Unidad Latinoamericana y el Cambio Social (MULCS).

Nechi Dorado. Periodista, escritora. Argentina

Nora Cortiñas, Madre de Plaza de Mayo – Línea Fundadora

Pablo Bergel, Legislador de la Ciudad de Buenos Aires (Bloque Bien Común),

Paula Belloni, Economista, Becaria FLACSO/CONICET

Prof.  Elsa  M.  Bruzzone, CEMIDA

Ricardo Peidro, Secr. Gral. Asociación de Agentes de Propaganda Médica de la República Argentina (A.A.P.M. de la R.A.) y Secr. Adj. de la CTA Autónoma (Central de Trabajadores de la Argentina).

Rubén Sacchi, Director Revista Lilith, Revista Septiembre

Sergio Arelovich, Universidad Nacional de Rosario

Soledad del Carmen Moya

Susana Rearte, Coordinadora en defensa del patrimonio público y de la Soberanía

Unidad Popular

Union Solidaria de Comunidades (USC) del Pueblo Diaguita Cacano -Santiago del Estero

Verónica Martínez, Sociedad de Economía Crítica

Vicente Zito Lema (Argentina)

Víctor De Gennaro, Diputado Nacional, Unidad Popular.

Víctor Mendibil, Coordinación General ESNA

BELGICA

Alicia Jardel, Professora

BOLIVIA

Alejandro Dausá

Pablo Regalsky

BRASIL

Aline Castro, Red por ti América,

Amigos da Terra Brasil

Ana Lúcia da Silva-  Professora Universitária aposentada-  Goiás

Articulação dos Comitês Populares da Copa e Olimpíadas ANCOP

Associação de Professores da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo  APROPUC-SP

Associação Potiguar dos Atingidos pela Copa – APAC

Bermi Flami

Caritas/regional São Paulo (Sul 1)

Centro de Estudos Bíblicos CEBI

Central de Movimentos Populares

Clair Da Flora Martins

Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa e Direitos Humanos da Associação Brasileira de Imprensa (ABI)

Comissão Pastoral da Terra

Comitê dos Atingidos pela Copa – Belo Horizonte

Comitê dos Atingidos pela Copa – São Paulo

Comitê Popular da Copa de Porto Alegre

Comitê Popular da Copa Natal

Comitê Popular de Direito do Rio Grande do Norte

Comitê Pró-Haiti

Conselho de Leigos e Leigas da Arquidiocese de São Paulo

CSP-Conlutas

Fernando Correa Prado, Professor do Instituto Latino-americano de Economia, Política e Sociedade, Universidade Federal da Integração Latino-americana (UNILA)

Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social

Grito dos Excluídos nacional

Heitor Cesar R de Oliveira – Professor  – Membro do Comitê Central do PCB

Heloísa Fernandes

Heriberto Hermes

Instituto de Defensores de Direitos Humanos (DDH) – Rio de Janeiro

Instituto de Políticas Alternativas para el Cono Sur PACS, Rio de Janeiro

Instituto EQUIT – Gênero, Economia e Cidadania Global

Instituto São Paulo de Cidadania e Política

Iser Assessoria – Rio de Janeiro

Ivan Pinheiro – Secretário Geral do PCB

Ivo Lesbaupin – Sociólogo, Rio de Janeiro

José Victor Regadas Luiz

Jubileu Sul Brasil

Justiça Global

Laísa Marra De Paula Cunha Bastos / Aluna/pesq.da UFG, Goiânia

Levante Popular da Juventude

Luana da Silva Marques -Rio de Janeiro

Luciana Genro

Luis Enrique Casais Padilla, Professor Visitante. Pós Graduação em Política Social. Universidade Federal do Espírito Santo.

Luis Moraes, Presidente do sindicato dos técnicos de informática do município de mogi das cruzes são paulo.

Luna Dalla Rosa Carvalho – Natal/RN

Mandato do Vereador Renato Cinco (PSOL do Rio de Janeiro)

Marcelo Dias Carcanholo, Presidente Sociedad Latinoamericana de Economia Politica y Pensamiento Critico – SEPLA

Márcio Lupatini – UFVJM – Brasil.

Marco Antonio Perruso, Prof. de Sociologia da UFRuralRJ

Marco Antonio Santos  – São Paulo  

Marina Machado Gouvêa-Brasil-Uni. Federal da Integração Latino-Americana

Mario Augusto Jakobskind, Jornalista, Rio de Janeiro

Mary Garcia Castro, Pesquisadora

Mathias Seibel Luce – Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Maurício Campos dos Santos, engenheiro

Movimento de Olho na Justiça

Movimento do Atingidos por Barragem – MAB –

Movimento dos trabalhadores rurais sem terra- MST-

Movimento Nacional Quilombo Raça e Classe

Niemeyer Almeida Filho-Presidente da Sociedade Brasileira de Economia Política

Palmira Amancio da Silva

Partido Pirata, Río de Janeiro

Pastoral da Juventude Arquidiocese de São Paulo

Pastoral Operária nacional

Pedro Casaldàliga -bispo emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia – MT-

Prof. Luisa Araujo, Unila

Profa. Tânia Horsth Noronha Jardim-Departamento de Serviço Social/Puc-Rio –

PSTU

Rede Rua –

Ricardo Antunes

Roberto Leher, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Rodrigo Castelo, professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio)

Serviço Pastoral dos Migrantes

Sonia Fleury – Profesora de Ciência política FGV,

Tania Jamardo Faillace – journaliste et écrivain de Porto Alegre, RS

Tita Ferreira

Tomás de Siervi Barcellos

União da Juventude Comunista

Unidade Classista

Universidad Sin Fronteras

Virgínia Fontes – historiadora – UFF e Fiocruz

CANADA

Fronteras Comunes

Latin America and Caribbean Solidarity Network, Toronto

CHILE

Casa Bolívar,

Observatorio por el Cierre de la Escuela de las Américas

COLOMBIA

Renán Vega Cantor (Colombia)

COSTA RICA

Ana Carcedo, Centro Feminista de Información y Accion, CEFEMINA

Centro Feminista de Información y Accion, CEFEMINA

Norma Pereira Camacho, Fundación para la Defensa de los Derechos Humanos en Centroamérica

Wim Dierckxsens, Coordinador Observatorio Internacional de la Crisis

COSTA DE MARFIL

OUATTARA Diakalia, Forum National sur la Dette et la Pauvreté (FNDP)

CUBA

Organización de Solidaridad de los Pueblos de África, Asia y América Latina (OSPAAAL)

EQUADOR

Vicepresidencia de la UNE

ESPANHA

Carlos Federico Beautell, Isla de  La Gomera- Canarias.

Colectivo Ojos para la paz, España.

Comité Oscar Romero de Vigo,

Ecologistas en Acción (Spain)

Ernesto Baquer, Universidad Autónoma de Barcelona

Plataforma Global contra las Guerras, España

FRANCIA

Umberto Mazzei

Claude QUEMAR (CADTM France)

GAMBIA

Worldview

GUATEMALA

Simona V Yagenova, investigora-profesora FLACSO

HAITI

Batay Ouvriyè

CRAD

Kendy Boisrond, Investigador de la CEPAL,Especialista en economía de desarrollo y polícas públicas.

PAPDA.

POHDH,

Ricot JEAN PIERRE, Directeur de Programme Plaidoyer pour une Intégration Alternative, PAPDA

SOFA

Williams Shoumaher

HONDURAS

Consejo Cívico de Organizaciones Populares e Indígenas de Honduras COPINH

Denia Mejia

Igor Calvo, militante de base del FNRP, Honduras

Luis C. Lagos, docente universitario, Sociólogo, miembro del Partido Libertad y Refundación (LIBRE)

ITALIA

Antonino Infranca (Italia)

MEXICO

Alejandro Cérsar Líopez Bolaños, Instituto de Investigaciones Económicas, UNAM, DF

Ana Esther Ceceña, UNAM,

Comité Amigos de Puerto Rico

Comité de Derechos Humanos de Base de Chiapas Digna Ochoa

Consejo de Defensa de los Derechos del Pueblo-Movimiento Nacional del Poder Popular-CODEP-MNPP – 

Dr. Arturo Guillén R., Profesor-Investigador Titular “C”, Departamento de Economía, UAM Iztapalapa

Frente del Pueblo

Grupo Tacuba

Jóvenes Ante la Emergencia Nacional-México

Movimiento de Liberación Nacional-

Observatorio Latinoamericano de Geopolítica, UNAM,

Otros Mundos A.C./Chiapas,

Sandy Elvia Ramírez Gutiérrez (Economista, UNAM)

NICARAGUA

Grupo de Solidaridad-Arenal (GRUDESA)

Rafael Valdez Rodríguez, Centro Antonio Valdivieso

PANAMA

Coordinadora Popular de Derechos Humanos COPODEHUPA

Olmedo Beluche (Panamá)

PARAGUAY

Carlos Cáceres

Ignacio Denis  Del Rosario

Luis Rojas Villagra – SEPPY – SEPLA

Najeeb Amado, miembro de la Sociedad de Economía Política del Paraguay

Organización Nacional de Mujeres Trabajadoras Rurales e Indígenas CONAMURI 

PERU

Juan Rojas Vargas –

Ricardo Napurí

PORTUGAL

Miguel Urbano Rodrigues, escritor

PUERTO RICO

Comuna Caribe

Vilma Soto Bermúdez, Movimiento Independentista Nacional Hostosiano

REPUBLICA DOMINICANA

Articulación Nacional Campesina

Asamblea de los Pueblos del Caribe, Capitulo Dominicano.

ASOFESF

Capítulo Dominicano del ALBA

CLOC-VC Republica Dominicana

Confederacion Nacional de Unidad Sindical-CNUS

Lilliam Oviedo

Movimiento de Campesinos trabajadores Las Comunidades Unidas

REINO UNIDO

Ricardo Acuña, Contador, pensionado, Londres

URUGUAY

Coordinadora por el Retiro de las Tropas de Haití

Federación de Estudiantes Universitarios Uruguayos FEEUU

Izquierda Socialista de los Trabajadores Uruguay (LIT-CI),

Jose Curbelo Indart  –  La Paloma (Rocha)   

La gaviota, FM 103.3, Montevideo 

María Bouzas- Colonia

PITCNT

Red de Economistas de Izquierda del Uruguay (REDIU).

Ruben Rada

Ruben Suarez, Concejal Municipio F, Montevideo

Serpaj Uruguay

USA

Beverly Bell, Other Worlds,

Hondureños en Resistencia FNRP /LIBRE, Norte de California

James Petras (EE. UU.)

Misiones Agrícolas

Ruben Solis Garcia, Universidad Sin Fronteras

VENEZUELA

Amaylin Riveros, trabjadora social

Ángel Cedeño Silva

CADTM-AYNA Venezuela

Carmen Bohórquez, Coordinadora General de la Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad

Centro de Atención y Formación Integral de la Mujer CAFIM San Bernardino

Coalición de Las Tendencias Clasista Venezuela (CTCV).

Colectivo Cimarrón

Contradeudas

Coordinadora Simón Bolíva, Barrio 23 de enero, Caracas

Humberto Rojas D.

Ignacio José Birriel

Jimena Sosa

Mariadela Villanueva,

Paulino Núñez M., SEPLA

Yukency Ruiz

Carlos Trotta

Elena Jiménez, de la Red En Defensa de la Humanidad

Juan Luis González Pérez