Notas

    Pérola

    “O Maracanã nunca mais volta a ser administrado pelo Estado”

    Sérgio Cabral (PMDB), governador do Rio de Janeiro.
    Portal G1, 02/09
     
     Paladino do supremo –  O presidente do STF, Joaquim Barbosa, solicitou à Câmara dos Deputados que o salário de seus pares na Casa sejam reajustados para R$ 30.658,42. Hoje, o salário de um ministro é de R$ 28.059,29.
     
     Selvageria – Em uma manifestação no Rio, no último dia 27, uma mulher, caída e imobilizada no chão, foi agredida por cinco PMs. Imagens na internet mostram os policiais chutando e espancando a jovem com cassetetes. Selvageria pura.
     
    LADAINHA DE CHAUÍ
    “Coloco os ‘blacks’ na [categoria] fascista. Não é anarquismo, embora se apresentem assim”. A frase foi proferida por Marilena Chaui, professora de filosofia e uma das “intelectuais” do PT, numa palestra na Academia da Polícia Militar do Rio de Janeiro. O PSTU não oculta sua crítica à metodologia que os Black Blocs utilizam em suas atuações e da fragilidade programática que os caracteriza. Mas classificá-los como algo próximo do fascismo é um disparate completo. Só poderia vir mesmo de alguém que chamou a crise do mensalão, em 2005, de “golpe das elites”. Essa mesma ladainha foi insinuada por Chauí para caracterizar as manifestações de junho. 
     
    TUPINAMBÁS ATACADOS A TIROS
    No último dia 14 de agosto, indígenas da região de Buerarema (BA) foram vitimas de um atentado. Um caminhão que transportava estudantes da Escola Estadual Indígena Tupinambá Serra do Padeiro, localizada em uma das comunidades da Terra Indígena (TI) Tupinambá de Olivença, foi alvejado por pistoleiros. Os ataques se relacionam com a luta indígena pelo direito ao seu território.  O processo de identificação da Terra Indígena Tupinambá de Olivença teve início em 2004. Mas, descumprindo os prazos estabelecidos legalmente, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ainda não assinou a portaria declaratória da TI para que o processo seja encaminhado. Cerca 4.700 tupinambás vivem na área. O governo Dilma, aliado do agronegócio, determinou a paralisação de processos de demarcação de Terras Indígenas em curso.
     
    LAMENTÁVEL
    O site do jornal “Brasil de Fato” publicou uma entrevista com o ditador sírio Bashar al-Assad realizada pela imprensa russa, país que apóia seu regime. Nela, Assad teve a coragem de chamar de “terroristas” e “vândalos” aqueles que ousam lutar contra sua ditadura sanguinária. E, ainda, disse que as imagens das crianças mortas por ataques químicos, realizados pelo seu governo, são uma mera “jogada política que tenta legitimar uma intervenção militar” do imperialismo. Ora, nem a mais ingênua das almas pode acreditar nas palavras de um assassino, cujas mãos estão sujas com o sangue de milhares de crianças e de civis inocentes. O mais lamentável é que um jornal dito “popular” cumpra o papel de reproduzir as mentirias deste crápula.  Fora Assad! Viva a luta do povo sírio! Não ao bombardeio do imperialismo! 
     
    CABRAL DITADOR
    Sergio Cabral requereu ao judiciário, que prontamente acatou, a proibição dos outdoors fixados pelo PSTU que divulgam a campanha ‘Fora Cabral’. A proibição é uma arbitrariedade que atinge a liberdade de manifestação. “Independente de nossas filiações e opções partidárias , este ato anti-democrático merece protesto. Trata-se do mais elementar direito manifestar nas ruas, por jornais , adesivos ou placas em lugares públicos sobre o Fora Cabral e Pezão, como fez o PSTU e como fazem milhares de jovens nas passeatas recentes do Rio. Como também já manifestou-se, outrora, Fora Ditadura e Fora Collor “, escreveu em nota Aderson Bussinger, da comissão de direitos humanos da OAB/RJ. 
     

    Post author
    Publication Date