Nesta terça, protesto em Brasília exige a redução da jornada

A Conlutas e as centrais sindicais preparam manifestação dia 30 de junho em Brasília para acompanhar a votação do projeto na Comissão Especial da Câmara e pressionar os deputados pela aprovação da medida para a redução da jornada para 40 horas semanais. No entanto, Conlutas defende a redução para 36 horas semanais sem redução salarial.

Nota da Conlutas
Para combater o desemprego: redução da jornada de trabalho sem redução salarial e de direitos; estabilidade no emprego já!

Os reflexos da crise econômica internacional levaram à recessão na economia brasileira. Os grandes capitalistas, infelizmente com o apoio do governo Lula, vêm jogando nas costas dos trabalhadores o ônus desta crise.

Desde dezembro do ano passado, já são mais de 800 mil novos desempregados, enquanto as grandes empresas pressionam seus trabalhadores, com o apoio das direções sindicais pelegas, para aceitarem propostas de redução salarial e de direitos. Propostas que só vão preservar os lucros dos patrões sem garantir a permanência concreta dos empregos ameaçados.

Para a Conlutas, a única forma de evitar realmente o crescimento do desemprego é atacar o lucro exorbitante dos patrões. Por isso uma das campanhas que desenvolvemos em todo país, utilizando inclusive um abaixo-assinado que será entregue a Presidência da República e ao Congresso Nacional, é pela redução da jornada de trabalho para 36 horas semanais, sem redução salarial.

Atualmente tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei que prevê a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução salarial. Apesar dos limites do projeto, vemos como uma necessidade imediata a aprovação desta medida ao passo que devemos seguir impulsionando e fortalecendo a luta pela redução da jornada para 36 horas, sem redução de salários e direitos o que geraria milhões de empregos em nosso país.

Estamos convocando, juntamente com as outras centrais, uma manifestação para o próximo dia 30 de junho em Brasília, para acompanhar a votação do projeto na Comissão Especial da Câmara e pressionar os deputados pela aprovação desta medida.

Fazemos um chamado ao conjunto das centrais sindicais a se somarem já à campanha nacional de mobilização pela redução para 36 horas sem redução salarial e de direitos. Juntos, devemos exigir do governo LULA que edite uma medida provisória que garanta a estabilidade no emprego para todos os trabalhadores de nosso país.

Uma boa oportunidade para lançar a campanha pela redução da jornada para 36h semanais, sem redução de salários e direitos, será a realização do dia nacional de lutas e paralisações, convocado pelas centrais sindicais para o dia 14 de agosto.