Na Argélia se gesta uma rebelião: mais jovem e mais violenta

Primeiro acreditava-se que a Argélia, vizinha da Líbia e Tunísia, seria logo atingida pela Revolução Árabe e as mobilizações populares levariam à queda do presidente Abdelaziz Bouteflika, no poder desde 1999.

Isto não ocorreu. Agora há suspeitas de que a Argélia pode ser “imune” à Primavera Árabe.

O país que foi palco de uma guerra de independência em relação à França até 1962, que deixou um saldo um milhão de mortos do lado argelino e 20 mil do lado francês, e uma guerra civil de 1992 até 2000, onde mais de 160.000 pessoas foram mortas, ainda tem muitas cicatrizes.

Há ainda que se acrescentar que a estabilidade do país interessa muito ao imperialismo, em particular o imperialismo francês, que depende muito das exportações argelinas, fundamentalmente do petróleo.

O terceiro aspecto é que, com 36 milhões de habitantes e uma economia com bastante recursos graças à exploração petrolífera, o governo começou a fazer algumas pequenas concessões ao povo, propiciando melhorias nas condições de vida.

O governo de Argel pode se dar a este luxo, pois os hidrocarbonetos são responsáveis por cerca de 60% do orçamento, 30% do PIB, e mais de 95% das receitas de exportação. O país é o 3º da África e 10º do mundo em reservas de petróleo, e 2º da África e 6º do mundo em gás natural. Com 160 trilhões de pés cúbicos de reservas de gás natural.

A dívida externa foi praticamente eliminada e o governo tem acumulado grandes economias no fundo de estabilização do petróleo (FRR), a inflação é a mais baixa da região.

E do ponto de vista político, na seqüência de revoltas populares na Tunísia e Egito, o governo levantou o Estado de Emergência que imperava há 19 anos e anunciou reformas em setembro de 2011.

O problema é que, mesmo com tudo isso, o governo, inserido na lógica capitalista e colonial, não ataca as questões fundamentais da economia, que levam ao desemprego, principalmente o da juventude.

A taxa de desemprego oficial é de 12%, mas estimativas independentes estimam em 30%. E ela é ainda maior para os jovens. Em uma população em que 70% tem menos de 30 anos, 70% estão desempregados. Sem futuro e oprimidos por um regime autoritário.

O governo necessitaria criar três milhões de empregos em cinco anos para evitar o caos. Para isso deveria desenvolver outros ramos da indústria e do comércio, rompendo com a dependência econômica da produção de hidrocarbonetos.

Antes a saída para muitos destes jovens era a fuga para a Europa, que fica muito perto. No entanto a crise econômica européia, com seu crescente desemprego e as medidas repressivas tomadas contra os emigrantes não deixaram outro caminho a eles que tomar o caminho da luta para tentar resolver seus problemas coletivamente.

Foram estes jovens que no inicio do ano realizaram uma onda de motins, que começou nos subúrbios de Argel e que rapidamente se espalharam para outras cidades como Oran, Blida, Bouira, Tizi Ouzou, Dejlfa, Ouargla e Constantine. Vinte e quatro regiões foram atingidas pelo movimento, ou seja, metade do país.

Violentos confrontos entre jovens e a polícia bloquearam estradas com pneus em chamas, ou troncos de árvores, atacaram edifícios públicos e tudo o que simboliza autoridade e riqueza. O jornal “Liberte” falou em quase 9.000 tumultos por mês em 2010.

Como as causas fundamentais não são atacadas explosões de proporções maiores podem ser vistas no futuro próximo.

A atitude da classe trabalhadora, que ainda não entrou em cena como tal, será decisiva para determinar o desenvolvimento desses protestos.

Petróleo e óleo para a Europa
A Argélia é o 6º produtor de gás natural do mundo, dados de 2007, (depois da Rússia, Estados Unidos, Canadá, Irã e Noruega). 70% do seu gás natural produzido foram exportados e 30% foram consumidos internamente.

Argélia contém um número estimado de 12,2 bilhões de barris de reservas provadas de petróleo, é a 3ª maior da África (atrás da Líbia e Nigéria).

Os países europeus dependem do petróleo da Argélia, que atendem o cada vez mais rigoroso regulamento da União Européia sobre teor de enxofre da gasolina e do diesel.

Em tese a estatal Sonatrach domina produção de petróleo e gás natural. No entanto, a Argélia tem permitido um investimento cada vez maior das grandes multinacionais do petróleo, e elas têm entrado em acordos e parceria com a Sonatrach, que concedeu novos contratos para aumentar a produção ao longo dos próximos anos.

Sonatrach opera o maior campo de petróleo na Argélia, Hassi Messaoud. Situado a sudeste de Argel, produziu cerca de 400.000 bbl/d (barris por dia) de petróleo em 2008. A maior multinacional petroleira, em operação no país é a norte-americana Anadarko, com capacidade total de produção de mais de 500.000 bbl/d, a partir de sua operação no combinado Hassi Berkine Sul e campos Ourhound no leste da Argélia.

A italiana Eni opera (entre outros) o projeto Rhourde Oulad Djemma (ROD) no sudeste da Argélia. Outras “irmãs” exploradoras são: BP, Conoco-Phillips, Gazprom, Repsol, Shell, Statoil e Total.

O consumo nacional de petróleo da Argélia foi 299.000 bbl/d em 2008 e as exportações de 1,93 milhões bbl/d. Quase 90% de seu petróleo é exportado.

Os Estados Unidos importaram 547 mil por cento bbl/d da Argélia, ou 28% do total das exportações de petróleo.

Outros 34% das exportações de petróleo foram para países europeus, entre eles: Países Baixos (8%), França (6%), Espanha (5%) e Alemanha e Reino Unido (4%).

A Argélia usa sete terminais costeiros de exportar petróleo bruto, produtos refinados, gás liquefeito de petróleo (GLP) e líquidos de gás natural (NGL). Estas instalações estão localizadas em Arzew, Skikda, Argel, Annaba, Oran, Bejaia, e Skhirra La na Tunísia. Arzew cuida de 40% do total das exportações.

Uma rede de oleodutos transfere o petróleo dos campos de produção do interior para os terminais de exportação. Particularmente de Hassi Messaoud.

A Argélia também tem 160 trilhões de pés cúbicos (Tcf) de reservas provadas de gás natural. O maior campo é Hassi R’Mel, descoberto em 1956, que responde por um quarto da produção total de gás da Argélia.

Estão na exploração do gás: BHP Billiton-, BP, Eni, Repsol, Statoil e Total, em parceria com a Sonatrach.

O gás natural liquefeito (GNL) sai de Hassi R’Mel a Arzew através de gasodutos e daí são as exportados para a Europa ao longo do Mar Mediterrâneo. Quase dois terços são exportados através de duas ligações de gasodutos entre a Argélia e a Europa, enquanto os restantes um terço é exportada na forma de GNL.

Um consórcio internacional, liderado pela Enagás de Espanha, SNPP Marrocos, e a Sonatrach, opera a 1000 milhas de gasodutos.

O Magrebe-Europa Gas (MEG), liga Hassi R’mel, através de Marrocos, com Cordoba, Espanha, onde ele se articula redes de transmissão de gás natural da Espanhol e Portugal.

Estão construindo um gasoduto de 560 milhas, o GALSI, de Hassi R’Mel para El Kal, Argélia, e daí, debaixo d’água para Cagliari, e, depois por terra para Olbia, ambas na Sardenha, e em seguida debaixo d’água para Piombino, Itália, onde será conectado à rede de transferência de nacional italiano. Será concluído em 2012.

Pretendem também construir um gasoduto de 2.800 milhas de gás natural a partir de Warri, Nigéria para Hassi R’Mel. Para transportar gás natural da Nigéria para os mercados europeus.

Com o start-up da planta GL4Z Arzew em 1964, a Argélia tornou-se o primeiro produtor mundial de gás natural liquefeito (GNL) e quarto maior exportador (atrás de Indonésia, Malásia e Qatar). Seus principais clientes são: França, Espanha e Turquia.

Sonatrach tem contratos de exportação de GNL com a Gaz de France, Distrigaz da Bélgica, da Espanha Enagas, Botas da Turquia, Snam da Itália e da Grécia DEPA.

Fornece 13% das importações da Europa de GNL. Para os Estados Unidos, foram cerca de 10% do total das importações de GNL

Esta claro que, em meio à crise européia, os países imperialistas deste continente não podem se dar ao luxo de perderem o controle da produção e da apropriação de petróleo e gás tão barato e de qualidade tão alta.

Se estes países imperialistas “arriscaram-se” em uma invasão militar área na Líbia, para continuar lutando pelo controle destes país, imaginem o que são capazes de fazer na Argélia.

O problema está em que de outro lado, o processo revolucionário do norte da áfrica vai empurrando, principalmente a juventude pobre destes países tão ricos, a lutarem pelos seu futuro.

A Argélia não esta imune aos processos revolucionários, novas revolta estão a caminho.