Mulher, negra e lutadora: lançada a pré-candidatura de Vera Lúcia em Sergipe

Zé Maria em Aracaju
Zeca de Oliveira

“Os trabalhadores sergipanos terão uma alternativa à esquerda nas eleições”, afirmou Vera Lúcia durante o lançamento de sua pré-candidatura ao governo do Estado de Sergipe. O evento ocorreu no sábado, 20, no auditório do Sindicato dos Petroleiros em Aracaju e foi assistido por cerca de 60 pessoas. Também foi apresentada a pré-candidatura de Zé Maria à presidência da República. Líderes sindicais de diversas categorias, além de estudantes e ativistas do movimento popular estiveram no local.

Para Vera Lúcia, o governador Marcelo Déda (PT) não cumpriu a mudança prometida aos trabalhadores. Ao contrário, o PT e o PCdoB se aliaram a um setor da velha oligarquia e governam para os ricos. “Durante seus quatro anos de governo, todas as greves foram consideradas ilegais, sindicatos foram multados, trabalhadores perseguidos da mesma forma como fazia a velha direita”, disse a pré-candidata.

Defender a saúde pública
A saúde é um caos. O Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE) já foi manchete nacional e é chamado pela população de matadouro. Não há enfermeiros, médicos e técnicos suficientes para atender a população. Pacientes ficam em macas pelo corredor. Crianças, idosos, homens e mulheres dividem o mesmo espaço de internação. Os salários são arrochados, a jornada é de 42 horas semanais e para o trabalhador ter o direito ao descanso no sábado ou domingo precisa trabalhar dobrado em um dos dias.

A situação tem piorado com a implantação da fundação estatal de direito privado. “Não podemos admitir que o povo pobre continue morrendo por falta de atendimento médico e, enquanto isso, o governador Marcelo Déda (PT) e a senadora Maria do Carmo (DEM) tratam suas doenças nos melhores hospitais privados do País”, enfatizou Vera Lúcia.

Uma frente classista e socialista
Ativistas do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) – Enlace e Csol – também acompanharam o evento. Zé Maria defendeu a conformação de uma frente com o PSOL e o Partido Comunista Brasileiro (PCB). Apesar disso, afirmou não estar otimista com a possibilidade de uma aliança. “Pra nós, do PSTU, é fundamental que tenhamos o acordo mínimo da defesa de um programa socialista e da independência política. A frente sairá se o PSOL estiver disposto a isso”, declarou. O pré-candidato fez referência às eleições de 2008, em que o PSOL foi financiado pela Gerdau (multinacional produtora de ferro e aço), no Rio Grande do Sul, e fez alianças com o PV e PSB.

Em Sergipe, segundo Vera Lúcia, as possibilidades de conformação da frente são maiores. “Já enviamos uma carta chamando os dois partidos para compor a frente. Para nós, é muito importante unir todos os lutadores e lutadoras, apresentando uma alternativa em conjunto para nossa classe”, reiterou a militante. Desde 2006, a Frente de Esquerda é criada em Sergipe, sem a presença do PCB, que optou em duas ocasiões pela candidatura própria. Em 2008, no pleito para a Prefeitura, a Frente, com o nome de Vera Lúcia, obteve quase 4% de votos dos trabalhadores aracajuanos.