MTST faz grande marcha até o Palácio dos Bandeirantes

Nesta segunda-feira, 13/8, o MTST está fazendo uma grande marcha rumo ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual de São Paulo. O objetivo é exigir do governo agilidade na busca de terrenos para consolidar o acordo de construção de moradias populares para famílias sem-teto de duas ocupações: João Cândido (Itapecerica da Serra, março a maio de 2007) e Chico Mendes (Taboão da Serra, setembro de 2005 a junho de
2006).

A marcha saiu simultaneamente da praça do Taboão da Serra, com as famílias da Comunidade Chico Mendes, e da estação de metrô Campo Limpo, com as famílias da Comunidade João Cândido. A última marcha do MTST até o Palácio dos Bandeirantes, no dia 30 de março, reuniu 5 mil pessoas e foi muito importante para as conquistas do movimento.

A luta das duas comunidades resultou em compromissos de construção de moradias, mas esses acordos ainda não se concretizaram, especialmente pela dificuldade de encontrar terrenos que atendam a todos os critérios da CEF e do CDHU e passem pela burocracia e entraves colocados por poderes locais, como por exemplo, o prefeito e os vereadores de Itapecerica da Serra, que se comprometeram a transferir um terreno da Prefeitura para o CDHU iniciar a construção das casas e não cumpriram sua palavra, traindo as famílias sem-teto.

Depois da reintegração de posse dos terrenos ocupados, as famílias de ambas as comunidades foram para áreas provisórias ou voltaram para favelas, áreas de risco ou casas de favor, mas permaneceram organizadas e mobilizadas para cobrar que seu direito à moradia digna saia do papel.

Despejo
Hoje de manhã, as famílias da Comunidade João Cândido que estavam fazendo um ato em Itapecerica da Serra desde o dia 7 de agosto tiveram que sair do acampamento montado em frente à sede da Prefeitura. Cerca de 250 pessoas permaneceram dois dias e duas noites acampadas em frente à Câmara Municipal e foram despejados ilegalmente. Depois seguiram para a sede da Prefeitura e passaram três dias e quatro noites em frente ao local. A Prefeitura conseguiu uma ordem judicial que proíbe o MTST de acampar em qualquer espaço público da cidade e pressionou a Polícia Militar para despejar os sem-teto. Essas famílias se juntaram à grande marcha ao Palácio dos Bandeirantes.