Metalúrgicos da Mercedes-Benz entram em greve contra demissões


Foto Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

Empresa anunciou a demissão de 500 trabalhadores após fim do lay-off

Os metalúrgicos da Mercedes-Benz, de São Bernardo do Campo, iniciaram uma greve por tempo indeterminado na manhã desta quarta-feira, dia 22, contra a demissão de 500 trabalhadores que estão em lay-off, previsto para acabar no próximo mês.

As demissões foram anunciadas pela empresa na véspera do feriado. Ao todo, 715 funcionários da unidade estão com os contratos de trabalho suspensos até o dia 4 de maio. Desde total, 500 não retornarão ao trabalho.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou que negociou a manutenção dos empregos dos trabalhadores em lay-off por dois meses e que agora aguarda uma posição da Mercedes-Benz para tratar da greve.

Apenas nos quatro primeiros meses deste ano, a Mercedes já demitiu 150 trabalhadores. Apesar disso, a montadora ainda pretende fechar mais 1.200 postos de trabalho na unidade

Com esta greve, os metalúrgicos da Mercedes seguem o exemplo dos companheiros da Volkswagen (São Caetano) e da General Motors que, no início do ano também cruzaram os braços contra os cortes. Dessa forma, conseguiram barrar a demissão de cerca de 800 trabalhadores em cada uma das fábricas.

Os companheiros da Mercedes têm todo nosso apoio nesta luta. As montadoras lucraram muito no Brasil e agora não podem demitir pais e mães de família ao menor sinal de queda nas vendas. Vamos espalhar pelo país o lema do “demitiu, parou” e exigir do governo Dilma uma medida provisória que determine a estabilidade no emprego”, afirma o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, Antônio Ferreira de Barros, o Macapá