Leia a carta dos sindicatos de Alagoas, rompendo com a CUT

Desfiliação foi feita nesta terça-feira, 31 de janeiro“CARTA DE DESFILIAÇÃO DA CUT/AL ABERTA A TODOS OS ALAGOANOS

“…tem gente que está do mesmo lado que você,
mas deveria estar do lado de lá…” (Renato Russo)

Há mais de vinte anos, os trabalhadores brasileiros davam um importante passo na construção de um projeto político independente da burguesia e dos patrões, já representados politicamente no regime bipartidarista.

Nas lutas e nas heróicas greves do ABC paulista surgiu o PT como legítimo representante destas lutas e dos trabalhadores.

No encalço deste processo surge um novo modelo sindical, rompendo os grilhões do sindicalismo amarelo getulista, sindicalismo pelêgo e estatal, totalmente atrelado ao governo.

A CUT, cuja formação e consolidação se deu graças aos esforços de heróicos lutadores, dentre os quais os que estão representados pelos sindicatos subscritores do presente documento, surgiu como alternativa àquele modelo sindical “amarelado”, trazendo o vermelho das lutas de volta ao sindicalismo brasileiro e banindo dos sindicatos as centrais sindicais pelegas e atreladas ao governo.

Porém, infelizmente, já que este era o projeto do PT e da CUT, a adaptação à “democracia dos ricos” e seu calendário eleitoral fez com que ambos depusessem as armas com as quais lutavam junto aos trabalhadores. O PT, ainda para garantir sua vitória nas eleições presidenciais, sinalizou para os patrões e para a burguesia nacional e internacional que Lula, por ser de origem operária e contar com o apoio da então iludida maioria da classe trabalhadora brasileira teria condições de terminar de aplicar à risca o projeto neoliberal iniciado no governo FHC.

Da mesma forma que Lula foi guindado pela burguesia nacional e internacional para valer-se de sua credibilidade perante a maioria da classe trabalhadora brasileira e terminar de aplicar os planos neoliberais impostos pelo FMI, a CUT, atualmente através de seu presidente de fato, Luis Marinho, foi guindada para impedir que seus sindicatos filiados lutassem contra estes planos.

Nossa certeza se baseia no fato de a CUT jamais ter-se colocado como obstáculo contra a Reforma da Previdência e os ataques do Governo Lula, bem como, por outro lado, jamais ter-se colocado ao lado dos trabalhadores na luta contra esses ataques.

Enquanto o funcionalismos público federal amarga mais de uma década de arrocho salarial, a CUT se limita em negociar e referendar o mísero salário mínimo pago no País. Enquanto a luta pela terra gera conflitos agrários e cada vez mais mortes no campo, a CUT e seu “presidente” ocupa o prédio do Ministério do Trabalho próximo ao do Ministro latifundiário da Agricultura, Sr. Roberto Rodrigues. Enquanto há fome, desemprego e arrocho salarial no País, a CUT assente e silencia diante do Governo que melhor honrou os compromissos com o FMI na história do Brasil, já tendo amortizado recentemente mais de 15 bilhões de dólares.

Por tudo já exposto, os sindicatos subscritores do presente documento vêm, de forma irrevogável, comunicar sua DESFILIAÇÃO desta Central Sindical.

A decisão tomada, exaustiva e longamente discutida nas bases de cada sindicato subscritor, o que contou, ao final, com representativas assembléias as quais deliberaram quase que unanimemente pela presente desfiliação, não é motivo de alegria, tampouco de comemoração. Afinal, não é com alegria que “sepultamos” projetos e sonhos. Porém, as armas que foram depostas pela CUT precisam, urgentemente, passar para as mãos daqueles que querem prosseguir lutando e, mais ainda, dos que ainda acreditam na vitória do SOCIALISMO, e será sobre os escombros de uma Central Sindical outrora de luta e, hoje, incorporada ao projeto neoliberal que construiremos a verdadeira alternativa de esquerda e de luta!

Saudações Sindicais,

SINDJUS – SINTSEP – SINPOFAL – SIND. MUNIC. SÃO MIGUEL DOS CAMPOS“