Garçonetes são vítimas de lesbofobia em Belo Horizonte


Basta de lesbofobia! Solidariedade às trabalhadoras que sofreram preconceito em seu local de trabalho!

No dia 22 de julho, mais uma trabalhadora, que não teve seu nome revelado, foi vítima de lesbofobia. Foi no bar Chopp da Fábrica, na região leste de Belo Horizonte (MG), onde trabalha como garçonete. Um casal de clientes se recusou a ser atendido pela trabalhadora, chamando-a de “sapatão”. Confrontados por outros clientes, que acharam absurda a situação, nem fizeram questão de esconder o preconceito e o machismo que praticaram.

Nesse caso, a trabalhadora acabou não prestando queixa, acatou o pedido dos clientes opressores e deixou que outros clientes tomassem sua luta. Infelizmente, essa é uma realidade para a maioria das LGBTs trabalhadoras. Muitas de nós acabam invisibilizando a luta por medo de perder o emprego e do rechaço que sofreremos por opressores desse tipo saírem impunes, já que não existe uma lei que criminalize a LGBTfobia.

Na atual conjuntura de contrarreformas e ataques diretos à classe trabalhadora, nós LGBTs trabalhadoras, acabamos optando por não confrontar a opressão por medo de ficarmos sujeitas à marginalidade do desemprego. Sentimos na pele e no bolso o caráter LGBTfóbico que as contrarreformas possuem, pois sabemos que seremos o setor da classe trabalhadora que será o mais afetado.

A invisibilidade de muitas LGBTs trabalhadoras nas fábricas, nas escolas, nos serviços públicos e nos locais de trabalho em geral é uma realidade. Optamos por nos escondermos para não sofrermos duplamente a opressão LGBTfóbica e capitalista.

Por isso, tomando o espírito de luta de Stonewall, acreditamos que precisamos unificar as nossas pautas à luta de toda classe trabalhadora, pois a luta contra os governos, os ataques aos nossos direitos, pelo fim da exploração capitalista e por uma sociedade socialista é nossa luta também. Somente nos aliando à classe trabalhadora acabaremos com a opressão LGBTfóbica, machista e racista e nos fortalecermos enquanto classe.

Basta de Lesbofobia!
Solidariedade a todas e todos os trabalhadores LGBTs que sofrem preconceito em seu local de trabalho!
Pela criminalização da LGBTfobia!
Abaixo as reformas trabalhista e previdenciária!
Fora Temer, o Congresso e todos os corruptos!
Reviver o espírito de Stonewall nas lutas da classe trabalhadora!

 

Por Carlos Pedroso, de Curitiba (PR), trabalhador, gay e militante do PSTU