Estudo desmistifica o “pibão” de Lula

Ministro da Fazenda Guido Mantega durante coletiva de imprensa
Agência Brasil

Para economista, média de crescimento do governo Lula foi medíocre, tanto do ponto de vista histórico como em comparação com o restante dos paísesA divulgação do resultado do PIB de 2010 pelo IBGE desencadeou uma série de avaliações ufanistas sobre o governo Lula. O PIB (Produto Interno Bruto) é a soma do valor de todas as riquezas produzidas pelo país no período. O crescimento de 7,5%, embora já fosse previsto, foi comemorado por grande parte da imprensa, que cunhou o termo “pibão”, em referência ao “pibinho” de anos anteriores. “Já atingimos um PIB de R$ 3,6 trilhões, o que nos coloca em sétimo lugar, superando a França e o Reino Unido”, comemorou o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Já o atual governo Dilma não perdeu tempo e utilizou o índice como pretexto para pisar no freio dos gastos e reforçar o anúncio do maior corte orçamentário da história. Os representantes do sistema financeiro, por sua vez, relembraram seu “alerta” contra a inflação. O Banco Central, muito sensível aos temores dos banqueiros, elevaram os juros para estancar a inflação.

Mas será mesmo que o Brasil finalmente encontrou o caminho do crescimento, como afirmam o governo e a grande imprensa? Não é o que mostra estudo do economista da UFRJ, Reinaldo Gonçalves, sobre a evolução da renda no governo Lula. Primeiro, o economista colocou o crescimento econômico nos oito anos de governo Lula em perspectiva histórica. Depois, comparou com o restante do mundo. Os resultados desmistificam toda a propaganda alardeada nos últimos anos.

Crescimento pequeno
A conclusão que o economista chega não deixa de ser perturbadora. Segundo os dados tabulados pelo pesquisador, o Brasil cresceu muito pouco nos últimos anos em relação a praticamente todo o século XX, e muito menos que a média do planeta. Além disso, o país reduziu sua participação no PIB mundial, assim como em relação ao PIB per capita em relação aos outros países.

Nos oito anos de governo Lula, o país cresceu em média 4% ao ano. Índice menor que a média verificada em todo o período republicano. De 1890 a 2010 o país cresceu a uma média de 4,5%. O economista destaca o fato de, entre todos os 29 presidentes que o país já teve, Lula ocupar apenas a 19ª melhor posição em relação ao desempenho econômico, estando atrás de Itamar Franco, que contou com 5% de crescimento médio anual em seu governo.

Fato é que, se o Brasil cresceu entre 2003 e 2010, o resto do mundo cresceu mais, uma taxa anual média de 4,4%, 0,4% a mais que nós. Em relação ao crescimento do PIB nesses anos, o país ocupa apenas o 96ª lugar de 181 países. A renda per capita (toda a renda produzida dividida pelo nº de habitantes) também cresceu, de US$ 7.457 para US$ 10.894, mas também não tanto como em outro países. Tanto que o Brasil passou de 66º lugar em relação a esse índice para 71º lugar nos últimos oito anos. Ou seja, perdemos cinco colocações em relação à renda per capita durante os anos de governo Lula.

O peso da economia do país em relação à mundial, por sua vez, permaneceu estagnado em 2,92% no decorrer dos oito anos de Lula. Ao longo do tempo, porém, fomos perdendo posições. Para se ter uma ideia, em 1980 nossa economia contribuía com 3,91% do PIB mundial.

Economia vulnerável
Um outro aspecto no estudo do economista é a crise que atingiu o país em cheio ao final de 2008, contendo o período de crescimento e fazendo com que o Brasil diminuísse 0,6% em 2009. Tal fato teria ocorrido, segundo Gonçalves, devido à vulnerabilidade da economia. “O Brasil é um país marcado por forte vulnerabilidade externa estrutural”, vaticina, citando o grande peso adquirido pelas commodities nos últimos anos. “No período 2003-10 houve reprimarização da economia brasileira, inclusive com significativo aumento do peso relativo das commodities nas exportações brasileiras”. O autor vê ainda indícios de um processo de desindustrialização do país.

O considerável aumento da exportação de produtos primários pelo Brasil, como minérios e produtos agropecuários, incentivado pelo governo Lula, foi parte responsável pelo crescimento do PIB, mas também contribuiu para aprofundar a nossa dependência.

O que explicaria então o “salto” dado pelo país em 2010? Para Reinaldo Gonçalves, além do fato de 2009 ter ajudado, já que a base de comparação era muito baixa, o “pibão” teria sido efeito de uma política econômica oportunista, encomendada para vencer as eleições. “Oportunismo político e ajuste macroeconômico convergem perfeitamente na ótica do grupo dirigente”, diz. Isso teria se dado com uma expansão violenta do crédito, aumento do consumo, tudo impulsionado pelo aumento dos gastos do governo. O câmbio valorizado, por sua vez, favoreceria as importações, cujo aumento ajudaria a controlar a inflação.

O economista reitera, porém, que tal política expansionista não é sustentável segundo os próprios critérios do governo. Isso porque ela desembocaria numa crise fiscal e na piora das contas externas. E foi justamente por isso que o governo Dilma pisou no freio e anunciou o corte nos gastos, assim como o aumento nos juros. Para os próximos dois anos o FMI projeta crescimento de apenas 4% ao ano, também inferior à média das últimas décadas. Ou seja, após afrouxar um pouco os gastos para vencer as eleições, o governo volta ao normal.

Longe de representar uma mudança estrutural no Brasil, a política econômica do governo Lula seguiu a dos governos anteriores. Agora, vê-se que, sem maquiagens, seus resultados foram tão medíocres quanto.

  • Clique aqui e leia o artigo de Reinaldo Gonçalves