Encontro reúne 200 ativistas em Belém e funda a Conlutas no Pará


Ocorreu nos dias 04 e 05 de dezembro no sindicato dos trabalhadores da construção civil o 2o Encontro de ativistas dos movimentos sociais para derrotar as reformas neoliberais de Lula.

O evento se deu dentro de um clima de grande unidade das forças políticas presentes. Porém, isso não invalidou o debate de idéias. O PSTU esteve representado em todas as mesas de discussões. Durante o primeiro dia, a professora da UFPA, Socorro Aguiar, deu o tom do debate afirmando a necessidade de derrotar nas ruas o governo Lula. Pela parte da tarde Silvana Garcia, desmascarou o conteúdo reacionário das reformas Trabalhista, Sindical e Universitária.

No domingo, ocorreu o debate do tema mais esperado, a ruptura com a CUT, na mesa estava um representante do PT, P-SOL e Atanágoras Lopes, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil e também militante do PSTU. Não tardou para aparecer as diferenças entre os dois últimos expositores, Atnágoras foi categórico ao afirmar que na conjuntura atual não existe espaço para vacilações e que o ritmo lento de desfiliação proposto pelo P-SOL estava equivocado, “devemos utilizar nosso exemplo vitorioso de hoje para mostrar a todo movimento sindical do país que é possível impulsionar desde já a ruptura com a CUT .“ No final do encontro foi aprovado por unanimidade a transformação do Fórum Estadual que existe desde as lutas contra a reforma da Previdência na Coordenação de Lutas do Pará (Conlutas-PA). Aprovou-se também a orientação política para que todos os sindicatos ali presentes discutissem em seus fóruns de decisões a ruptura com a CUT, a filiação a Conlutas e a cotização financeira.

Solidariedade internacional

O Encontro teve sua parte de solidariedade internacional, uma grande faixa estava estendida no plenário exigindo a libertação dos presos políticos argentinos de Caleta Olivia, uma moção foi aprovada e alguns sindicatos ajudarão financeiramente para manter as famílias dos companheiros presos.